Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Três anos depois de chegar à liderança do PSD, Rui Rio prepara-se para enfrentar aquele que definiu como o maior desafio do partido desde o dia zero: as eleições autárquicas de 2021. Sem candidatos fechados em Lisboa, Porto ou Coimbra, por exemplo, Rio puxa pelos galões e manda calar os adversários internos. “Sei o que estou a fazer”, diz. E nem as críticas de Carlos Carreiras o menorizam. “É o pior e o mais incompetente nisto”, atira.

Em entrevista ao Observador, no programa Sob Escuta, Rio encerra a novela sobre qualquer aliança com Rui Moreira, que ataca com violência. “Ele mentiu não é confiável. O que aconteceu esta semana serve também para algumas pessoas dentro do PSD”. Em sentido inverso, Vladimiro Feliz, seu ex-vice no Porto, parece ganhar força como possível candidato.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.