Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Bom dia, obrigada por por nos ter acompanhado no sábado. Vamos continuar a acompanhar toda a atualidade sobre o surto de coronavírus aqui no Observador.

  • Açores anuncia primeiro caso e lança apelo a passageiros de voo da Ryanair

    Uma mulher de 29 anos, residente na Terceira, que terá estado em Amesterdão e em Felgueiras é o primeiro caso de covid-19 nos Açores. As autoridades procuram os outros passageiros do voo da Ryanair FR6037 Porto/Terceira, no qual a doente viajou a 9 de março.

    Coronavírus. Açores anuncia primeiro caso com teste positivo e lança apelo a passageiros de voo da Ryanair

  • Petição em favor do encerramento da Autoeuropa já reuniu quase 5.250 assinaturas

    Mais de 5.280 pessoas já subscreveram uma petição colocada no portal Petição Pública a pedir o encerramento da Autoeuropa, a maior fábrica de produção automóvel em Portugal, onde são montados vários modelos da Volkswagen. E são vários os motivos apresentados pelos subscritores originais da petição, que parece ter tido origem entre o pessoal que trabalha na fábrica:

    – recursos humanos e outros sectores da fábrica [foram] encerrados menos a linha de montagem.
    – a contratação de mais pessoas para fazer o lugar dos que vão ficar de baixa de apoio a família sendo a preocupação a produção e não a saúde dos que cá estão fechados.
    – autocarros, balneários e refeitório são outros meios de propagação do vírus devido a quantidade de pessoas que se juntam nesses espaços fechados.
    – 7 colegas de quarentena e “não fazemos ideia se estivemos em contacto com algum deles”.
    – trabalhadores que metem baixa de apoio a família para tomar conta dos filhos, mas os parceiros continuam a vir trabalhar (correndo assim possível contágio de igual forma).

    “Sejam conscientes e fechem a fábrica. Pensem na saúde de TODOS os vossos colaboradores”, indica ainda o texto.

  • Marca diz que hotéis de Ronaldo serão transformados em hospitais. Fonte próxima do jogador desmente

    A notícia entrou no jornal desportivo espanhol Marca às 00h14. Título? “Cristiano Ronaldo vai transformar os seus hotéis em Portugal em hospitais para ajudar na luta contra o coronavírus”. Subtítulo? “Uma grande atitude do jogador”. Problema: fonte próxima do craque da Juventus desmentiu ao Observador que Ronaldo esteja a pensar qualquer medida do género.

    O texto da Marca – que não citava fontes, apenas um tweet – dizia mesmo que os futuros hospitais “poderiam ser usados de forma gratuita” e que seria o jogador madeirense “a pagar aos médicos e aos trabalhadores”. Algo que a mesma fonte também desmentiu.

    Os hotéis de CR7 em Portugal resultam de uma parceria com o grupo hoteleiro Pestana.

  • Jorge Jesus esclarece: "Obtive uma informação desencontrada sobre a morte de um amigo querido"

    Entretanto, Jorge Jesus já esclareceu a situação numa publicação no Instagram. “Hoje foi um dia muito triste para mim, obtive uma informação desencontrada sobre a morte de um amigo querido. Na verdade, a informação correta é a de que ele está em estado grave no hospital. Lamento muito pelas vítimas dessa tragédia mundial e me solidarizo com as famílias das vítimas e peço a Deus pela cura dele e de todos que estejam atingidos por esta pandemia. Estejamos todos unidos em oração neste momento”, escreveu o treinador português.

    A publicação de Jorge Jesus no Instagram

  • Advogado de Jorge Jesus esclarece. Treinador português foi "induzido em erro" e não perdeu amigo por causa do coronavírus

    Luís Miguel Henriques, advogado de Jorge Jesus, esclareceu as declarações do treinador português. Segundo o advogado, Jesus recebeu a informação de que um antigo colega – Veríssimo, ex-massagista do Estrela da Amadora – está infetado com o novo coronavírus e terá interpretado uma primeira mensagem como se o amigo tivesse morrido: algo que não corresponde à verdade. Na verdade, Veríssimo estará “com a vida em perigo”. Luís Miguel Henriques disse que o treinador do Flamengo foi “induzido em erro” com esta mensagem e emocionou-se na flash interview, mas vai agora esclarecer toda a situação nas redes sociais.

    Veríssimo, antigo massagista do Estrela da Amadora, estará internado nos cuidados intensivos do Hospital Curry Cabral, em Lisboa. O amigo de Jorge Jesus, infetado com o novo coronavírus, tem problemas pulmonares crónicos e estará a ser atentamente vigiado.

    Até ao momento, não há indicação de qualquer morte em Portugal causada pelo novo coronavírus. Confrontada pelo Observador com as declarações de Jorge Jesus, a DGS tinha reafirmado não ter conhecimento de qualquer vítima mortal em Portugal devido ao Covid-19.

  • Autoridade Marítima interdita todas as atividades desportivas que "impliquem aglomerados de pessoas"

    A Autoridade Marítima Nacional proibe “todas as atividades desportivas ou de lazer que impliquem aglomerados de pessoas, nas praias” de todo o país. A medida visa “minimizar a probabilidade de disseminação da COVID-19”.

    “Esta é uma medida preventiva, em alinhamento com as medidas implementadas pelo Governo para conter a propagação da COVID-19”, consta no comunicado que explica também que a interdição “será levantada logo que estejam reunidas todas as condições de segurança”.

    A Autoridade Marítima Nacional reforça o alerta “para a não ida a banhos” e recomenda “que as pessoas não se desloquem às praias, de forma a minimizar a propagação da COVID-19”.

  • Jorge Jesus diz que "já perdeu um amigo em Portugal" devido ao coronavírus. DGS "não tem conhecimento à data de qualquer morte"

    Jorge Jesus disse há poucos minutos que “já perdeu um amigo em Portugal” devido ao coronavírus. O treinador português estava a comentar a pandemia numa flash interview depois do jogo desta noite entre o Flamengo e a Portuguesa, onde acabou por defender a suspensão do futebol brasileiro, quando acabou por dizer que perdeu um amigo em Portugal devido à Covid-19. Contactada pelo Observador devido às declarações de Jorge Jesus, a DGS reiterou não ter “conhecimento à data de qualquer morte relacionada com o coronavírus” em Portugal.

  • Portugal aplaude à janela profissionais de saúde que enfrentam surto na primeira linha

    Reunimos num vídeo filmagens que mostram os portugueses à janela em várias cidades, às 22h, para aplaudir os profissionais de saúde que enfrentam, na primeira linha, o surto de coronavírus. Iniciativa foi convocada nas redes sociais.

  • Donald Trump testou negativo para o coronavírus

    Depois de o presidente dos Estados Unidos ter garantido que fez o teste para saber se estava infetado com o coronavírus, um elemento da equipa médica da Casa Branca divulgou há pouco o resultado do exame realizado a Donald Trump, onde se pode verificar que este testou negativo para a Covid-19.

  • Dois casos confirmados no Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga aguardam transferência para Santo António

    De acordo com informação recolhida pelo Observador, existem mais dois casos positivos de coronavírus confirmados em Portugal. Estão ambos no Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga e ambos aguardam autorização para serem transferidos para o Hospital de Santo António, no Porto.

  • Mulher de Pedro Sánchez infetada

    Begoña Gómez, a mulher de Pedro Sánchez, está infectada com coronavírus. A notícias foi confirmada num comunicado da Moncloa, sede do governo espanhol, e a infeção terá acontecido 5 dias depois de Begoña ter participado na grande manifestação do dia da mulher, a 8 de março, que juntou milhares de pessoas. Segundo o comunicado, a mulher de Pedro Sánchez, líder do PSOE, está a seguir “todas as medidas de prevenção estabelecidas pelas autoridades de saúde”.

    A notícia foi conhecida depois do líder do governo espanhol ter liderado hoje o Conselho de Ministros de mais de sete horas em que foi decidido declara o estado de alarme e medidas muito restritivas no país, para controlar o surto de coronavírus, que já colocaram Espanha como o segundo país da Europa com maior número de contagiados, logo atrás de Itália. Nesse Conselho de Ministros, com muitas divisões, Sánchez e Pablo Iglesias, o vice-primeiro-ministro e líder do Podemos estiveram lado a lado e foi o braço de ferro entre ambos que levou à demora na tomada de decisões finais. A coincidência é que a mulher de Iglesias, e também ministra do Governo (com as pasta da Igualdade), está igualmente infectada.

  • Ouça aqui as palmas aos médicos nas varandas de Portugal

    Depois de Madrid, Lisboa juntou-se ao aplauso aos profissionais de saúde que estão a lutar contra o coronavírus. A cena repetiu-se nalgumas cidades portuguesas. Este som que aqui partilhamos foi registado no centro de Lisboa.

    Ouça aqui as palmas aos médicos nas varandas de Portugal

  • PSP nega que duas mulheres suspeitas de estarem infetadas com coronavírus tenham fugido do Hospital de Coimbra

    O porta-voz da Direção Nacional da PSP, o intendente Nuno Bugalho Carocha, clarificou a notícia que estava a circular de que duas mulheres com suspeitas de estarem infetadas com coronavírus tinham fugido esta sexta-feira do Hospital da Universidade de Coimbra. Em declarações ao Observador, o intendente Nuno Bugalho Carocha confirmou que a PSP foi alertada para a alegada fuga de duas mulheres de uma sala de isolamento e colocou em marcha os procedimentos de busca mas que tudo não passou de um mal entendido: as duas mulheres foram transferidas para o Hospital de S. João, no Porto, por um médico, mas a informação não terá sido comunicada aos restantes profissionais de saúde responsáveis pelas duas pacientes, que alertaram as autoridades quando deram conta do suposto desaparecimento. Entretanto, ambas as mulheres já tiveram alta hospitalar do Hospital de S. João.

    PSP nega fuga de duas mulheres suspeitas de terem coronavírus do Hospital de Coimbra

  • Um dos primeiros infetados com coronavírus em Portugal teve alta hospitalar

    Um dos primeiros pacientes internado no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, infetado pelo novo coronavírus está curado, tendo tido hoje alta clínica, revelou à Lusa fonte da unidade de saúde.

    A fonte adiantou tratar-se de um homem, com cerca de 60 anos, e “ligado ao evento Correntes d´Escritas”, que se realizou na Póvoa de Varzim entre os dias 15 e 22 de fevereiro, onde participou o escritor chileno Luís Sepúlveda, também diagnosticado com esta doença.

    O doente estava neste hospital desde o fim de semana passado. Hoje teve alta hospitalar depois de ter realizado novos testes, estes já negativos.

    Na sexta-feira, o Hospital Pedro Hispano, considerado de segunda linha na contenção da infeção pelo novo coronavírus, cancelou as cirurgias, consultas e exames, estando a preparar um segundo espaço para acolher doentes com esta patologia.

    Em resposta à agência Lusa, o hospital, integrado na Unidade Local de Saúde de Matosinhos (ULSM), no distrito do Porto, adiantou ter cancelado toda a atividade programada, à exceção das consultas de obstetrícia, assim como a Unidade de Medicina Hiperbárica e a Oncologia Médica/Hospital de Dia.

  • Lisboa e Porto em peso na homenagem aos profissionais de saúde

    Três exemplos do que se passou em Lisboa e Porto às 22 horas em ponto, a hora marcada para a homenagem aos profissionais de saúde que combatem o novo coronavírus. Os vídeos recolhidos pelos repórteres do Observador mostram uma adesão alargada em muitos bairros de Lisboa e Porto. Aqui ficam três registos (daqui a pouco mostramos-lhe mais):

  • Fotos. Polícia já fechou todos os bares do Bairro Alto

    A PSP já fechou todos os bares do Bairro Alto deixando só restaurantes e lojas de conveniência abertas. Aos proprietários dos bares era dito que: “têm de fechar agora. São ordens e têm de ser cumpridas”.

    Os proprietários dos bares acataram todos as ordens e percebem todos estas medidas de prevenção. “Eu percebo e concordo. Acho até que se deviam ter tomado estas medidas antes o pior vai ser para o negócio mas isso é um problema para depois”, disse um dos proprietários de um dos bares ao Observador.

    DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

    DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

    DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

  • Chef Lubomir Stanisic pede "tomates" e apoio ao governo. Siza Vieira responde a dizer que a ajuda já existe

    O chef Ljubomir Stanisic falou hoje em entrevista à TVI sobre a situação de extrema dificuldade que o setor da restauração está a atravessar. “As coisas na restauração estão péssimas. Tomei medidas hoje para fechar os meus restaurantes, sem apoio do governo. Como há falta de tomates no nosso governo, nós empresários devíamos tê-los”, clamou o cozinheiro que está por trás de negócios como o 100 Maneiras e o 100 Maneiras Bistro.

    Via Skype, Ljubomir frisou que não estava a falar em seu nome mas sim em representação “de toda a restauração e hotelaria do país.” Explica que vários outros colegas empresários/cozinheiros/restauradores tomaram a decisão de encerrar os seus espaços “por uma questão cívica, de responsabilidade”, e não pelo ponto de vista do negócio. “Neste momento o que não conta é o dinheiro, o que mais importa é a saúde pública“. Segundo o mesmo, todos estão “a sentir quebras nas reservas” mas “o mais importante é proteger a saúde pública” (daí terem decidido encerrar os seus espaços) e saber se têm “o apoio do governo nacional.” O ponto principal desta intervenção foi precisamente questionar a atuação do governo perante a área do turismo “que representa 10% do PIB” — “Estamos com o Estado mas ele tem de ter noção de que tem de nos ajudar também. Não podemos deixar isto ir abaixo.”

    Ljubomir explicou ainda que vários restauradores portugueses exigiram uma reunião com a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), que aconteceu, mas que esta ainda não conseguiu falar com o Estado.

    Eles não conseguem chegar ao Estado — e eu compreendo que o governo esteja em dificuldades, estamos numa crise mundial — e por isso não nos chegam respostas nenhumas.”

    Depois de descrever como “ridícula” a medida de limitar a ocupação dos restaurantes a 1/3, Ljubomir terminou com um aviso: “O Estado vai ter de gastar já ou no futuro muito mais.”

    A resposta do ministro da Economia

    Minutos depois de terminar a conversa com o chef Ljubomir Stanisic foi a vez de Pedro Siza Vieira, ministro Adjunto e da Economia, abordar o mesmo tema. “Começámos a sentir um impacto económico particularmente mais sensível nos setores do turismo e da restauração. É muito importante assegurar que as empresas desses setores tenham a liquidez suficiente para continuarem a manter os seus compromissos”, arrancou o governante.

    Sobre a necessidade de apoiar o setor da restauração Siza Vieira foi claro ao dizer que já “há linhas de crédito aprovadas” para cumprir esse propósito e que até já foi aprovada “uma medida de layoff simplificada que as empresas podem aceder”. Frisando que estão disponíveis para dialogar de forma a garantir “apoio às nossas empresas”, o ministro afirmou que sobre a preservação da saúde pública o governo já se pronunciou através da redução da lotação dos espaços de restauração. “Se há estabelecimentos de restauração que por razões económicas estão a reduzir bastante os seus horários ou até a encerrar, os empresários devem continuar a asseguras os postos de trabalho que decorrer do encerramento do estabelecimento”, acrescentou antes de reforçar que “os empresários são livres de tomar essa decisão.”

    Reconhecendo a “importância social deste setor” com “milhares de micro-empresas e trabalhadores”, Siza Vieira afirmou que o seu ministério tem falado todos os dias com a AHRESP e vai “continuar a fazê-lo”. Relembrou ainda que os “empresários vão ter de reorganizar trabalho, antecipar férias, assegurar trabalho por turnos ou à distância” e que “não é possível funcionar em circunstâncias excecionais como se tivéssemos sempre o mercado a crescer como cresceu para a restauração nos últimos anos.”

    Todos temos de fazer um esforço. Não é por se falar mais alto ou por se ter mais presença mediática que se deve tentar reclamar para si uma parcela maior de atenção das autoridades públicas. Não acho adequado que um empresário do setor da restauração pareça querer colocar em cima do governo aquilo que são responsabilidades próprias. Todos estamos cientes do esforço que coletivamente nos é exigido, temos de trabalhar para nos adaptarmos às condições excecionais que estamos a viver.

  • Tem sido muita a desinformação que circula nas redes sociais. Tudo isto é falso

  • Espanha à janela para aplaudir profissionais de saúde

    Em várias cidades espanholas, os cidadãos assomaram às janelas e varandas às 22 horas locais (mais uma hora do que em Lisboa) para aplaudir os profissionais de saúde que estão na linha da frente do combate ao surto de coronavírus no país. Um gesto de homenagem convocado nas redes sociais.

    Em Portugal está a circular uma corrente semelhante, que apela ao mesmo gesto, às 22 horas deste sábado: “Hoje, às 22h00, vai haver uma corrente de esperança e energia dedicada a todos os profissionais de saúde que trabalham em todo o país para nos ajudar a ultrapassar este desafio enorme. Às 22h00, venham todos à janela, à varanda, onde puderem, aplaudir os nossos profissionais de saúde”, lê-se na mensagem que circula nas redes sociais.

    Neste vídeo vê-se e ouve-se a homenagem no centro de Barcelona, na zona do Eixample:

    Vídeos partilhados no Twitter mostram a adesão dos cidadãos à iniciativa em várias outras cidades, de Madrid a Múrcia, Valência ou Sevilha.

1 de 8