Rádio Observador

Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Autor
263

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

A oposição nunca foi fácil para líderes do PS ou do PSD. São  partidos de governo, feitos para distribuir lugares e definir políticas. Líder que não possa ou não pareça capaz de uma coisa ou outra não está destinado a ter descanso. Tudo isso é verdade. Mas é no entanto uma ilusão pensar que as aflições de Rui Rio se devem simplesmente à compilação das listas de deputados. Mesmo que a motivação de alguns dos protagonistas, dos vários lados, não suba muito acima desse rés-do-chão, está em causa muito mais do que isso.

Rui Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao Partido Socialista. Nada disto é muito novo: apresentar o PSD como um “partido de centro-esquerda” ou “social democrata” teve sempre, desde os anos 70, uma única razão: facilitar um entendimento com o PS. É por isso que, como confessou Manuela Ferreira Leite, é preferível que o PSD seja “pequeno” do que seja de “direita”. De facto, o tamanho aqui não conta mesmo: bastará ter os deputados suficientes para serem úteis ao governo socialista.

Admitamos que Rio tem as suas razões para esta opção. A incapacidade do PSD para formar uma maioria parlamentar com o CDS em 2015 e a retracção autárquica de 2017 tê-lo-ão persuadido de que o PSD, para voltar ao poder, precisava de colar-se ao PS, passar de rival a cooperante da governação socialista. Para o PS, tudo isto é lisonjeiro, na medida em que parece reconhecer a sua velha aspiração de definir o sistema à volta de um partido dominante — o PS, claro — rodeado de partidos pequenos à direita e à esquerda. Mas mais do que a relação entre os partidos, esta estratégia define a relação do regime com o país: é a da gestão dos interesses e clientelas instaladas, através do controle de todos os poderes e da partilha de recursos entre os partidos. As grandes obsessões de Rio com o submissão do Ministério Público e a regionalização do Estado vão nesse sentido.

O PSD, porém, já foi outra coisa: um partido capaz de mobilizar as aspirações do país contra os situacionismos aquartelados no Estado. É por isso que as comparações de Rio com Sá Carneiro estão erradas. A liderança de Sá Carneiro, quando finalmente se afirmou no PSD – e isso só aconteceu em 1979 — não foi uma questão de temperamento,  mas de estratégia: fazer do PSD a base para agregar a área não-socialista e gerar um mandato eleitoral reformista. Sem esse PSD, não teria havido as revisões constitucionais de 1982 e de 1989, que configuraram o actual regime, nem as mudanças que permitiram aos portugueses, na passagem dos anos 80 para 90, tirar partido da entrada na CEE.

Hoje, a questão não é diferente: sem um grande partido capaz de liderar os debates e os compromissos necessários para fazer reformas, é improvável que a sociedade consiga, por si própria, mudar o Estado clientelar cujos custos a têm impedido de explorar a globalização no século XXI. É isso que a estratégia de Rio pode negar ao país, ao reduzir o PSD a um partido menor. À direita, porém, há quem veja aí a oportunidade para fazer corresponder a pluralidade da direita a muitos partidos, todos minúsculos, todos iguais. O poder seria, depois, apenas questão de outra geringonça. Fácil? Não. Se uma coligação entre um partido grande e um mais pequeno, como as do PSD e do CDS desde 1979, já não foram tranquilas, imagine-se uma babel de exiguidades, todas a fazerem-se valer. Talvez a sobrevivência do regime se possa medir, neste momento, pela sobrevivência do PSD.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
327

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)