Extrema Esquerda

A nova esquerda entre chalets e princesas /premium

Autor
1.287

O código de conduta dos novos progressistas é assim: podem ter chalets de 600 mil euros, não podem é chamar “princesas” às filhas.

O que é que o chalet de 600 mil euros do líder do Podemos em Espanha tem a ver com o escândalo da “princesa que não fuma” na última campanha contra o tabaco em Portugal? Tudo: o chalet e as princesas demarcam o território das novas esquerdas que na Grécia, através do Syriza, substituíram o PASOK, ou que em Inglaterra, com Jeremy Corbyn, tomaram por dentro o Partido Trabalhista, e que em Portugal, usando a geringonça, contaminam o PS a partir do BE.

Toda a imprensa notou a contradicção ou a hipocrisia de Pablo Iglésias, que sempre ensinou que nunca se devia confiar num político com um chalet de 600 mil euros, até ao dia em que ele próprio resolveu acabar com a farsa do pequeno apartamento proletário, e comprar também ele um chalet de 600 mil euros nos arredores burgueses de Madrid. Mas menos gente meditou depois no facto de os activistas do Podemos terem avalizado, em referendo muito participado, a ascensão imobiliária do seu líder.

É este, porém, o ponto importante. Os chalets de 600 mil euros ainda servem para atacar os políticos da direita, mas já não mancham o CV das lideranças da nova esquerda, aliás cada vez mais endogâmicas, como todas as oligarquias (no casal Iglesias, ele é o secretário-geral do partido e ela a porta-voz parlamentar). Podem dizer-me que o interesse da esquerda, para os burgueses, foi sempre este: uma opção política que os habilitava a gozarem os confortos e os luxos de consciência tranquila, tal como as indulgências do papa amnistiavam outrora o consumo católico de carne à sexta-feira. A superioridade moral da esquerda permite à esquerda ser superior à moral.

Mas há mais qualquer coisa nesta história: a esquerda de tipo Podemos nada deve ao velho Povo, e portanto não precisa de imitar a sua modéstia ou de esconder, como no caso de Iglesias, a prosperidade de uma carreira política. A antiga classe operária com que contavam Marx e Lenine não desapareceu simplesmente com as deslocalizações industriais para a China. Mas mesmo aquela que, reformada ou desempregada, entretanto se tornou dependente do Estado social vota hoje na Frente Nacional em França, em Donald Trump nos EUA ou prefere o Brexit no Reino Unido.

Para a nova esquerda, o povo, agora visto como xenófobo, reaccionário e pouco instruído, é hoje o inimigo, para grande desespero de um velho esquerdista como, em França, Jean-Claude Michéa; enquanto a burguesia, cosmopolita, tolerante e qualificada, é o amigo. A nova esquerda — tal como extrema-esquerda de 1970, donde provem – não depende de sindicatos, mas do activismo das universidades, da comunicação social, e das “movidas” urbanas. Por isso, o “povo” deu lugar às “minorias”, e a política da “igualdade” à política das “diferenças”. A sociedade do futuro é agora imaginada como um aglomerado de tribos urbanas — uma grande noite do Bairro Alto, garantida pelo Estado social. O caminho já não passa pelas minas e pelas fábricas, mas pela vitimização das “minorias” e pela culpabilização do “homem branco”. Ainda fica bem lutar pelos “pobres”, claro, mas esses pobres são agora preferencialmente os imigrantes.

As velhas esquerdas obreiristas da Europa do século XX puderam contar, durante décadas, com a fidelidade eleitoral dos operários ou dos mineiros: votar social democrata ou comunista era parte da sua “consciência de classe”. É uma réplica dessa fidelidade que a nova esquerda tenta desesperadamente incutir aos frequentadores dos bares urbanos do século XXI através do frenesim das causas fracturantes e do politicamente correcto. O código de conduta dos novos progressistas é assim: podem ter chalets de 600 mil euros, não podem é chamar “princesas” às filhas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Salve-se quem puder /premium

Rui Ramos
360

É este o governo que temos: não tem nada a dizer ao país, enquanto conjunto dos cidadãos, mas tudo para dizer aos lóbis e grupos de interesse que lhe parecem importantes para continuar a mandar. 

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Extrema Esquerda

Os incorrigíveis /premium

Paulo Tunhas
138

Mesmo símbolólica, o desejo da morte do outro (Bolsonaro), tem ilustre e documentada tradição: representa o desprezo revolucionário pelo outro, a redução do outro ao não-humano e está nos genes do BE.

Extrema Esquerda

O desprezo pela plebe /premium

Paulo Tunhas
426

Perante o ditador Maduro, que empreendeu uma guerra contra o seu próprio povo, gente simpática como Francisco Louçã ou Joana Mortágua é tomada por um horror sagrado face... ao imperialismo americano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)