Rádio Observador

União Europeia

A questão russa

Autor

A Europa, os EUA e as alianças ocidentais podem e devem defender-se, mas se o urso russo pode e deve ser confrontado, não é aconselhável encurralá-lo.

O debate em Portugal sobre o envenenamento de Sergei Skripal e as suas consequências tem sido, na minha opinião, algo fragmentário, como se cada analista, todos a merecerem-me o maior respeito, revelasse na conversa pública sobre o assunto um problema de perspectiva.

Há a perspectiva política, que examina os factos ocorridos à luz da relação de forças entre a Federação Russa e o Ocidente, com o grande Império do Meio em pano de fundo já a circular pela Nova Rota da Seda (“Belt and Road initiative”). A essa luz, o Reino Unido surge como a ponta da lança dos interesses ocidentais, num confronto que parece a réplica em continuação da guerra fria, após o breve hiato causado pelo fim do comunismo. O argumento inclui a Síria e as intervenções norte-americana e russa, o Irão e a Arábia Saudita e, como sempre, Israel. Nesta dimensão, também, a Turquia baralha as cartas, com um horizonte de afastamento da NATO que não pode deixar de preocupar o Ocidente.

Há depois a perspectiva militar, que considera o ataque russo uma ameaça à soberania do Reino Unido e, por extensão, aos países das alianças ocidentais (NATO e UE, essencialmente). Dela decorre a necessidade da retaliação, para já pela via explícita da diplomacia, seguindo-se a política, que pode levar a cumprir-se a incompreendida máxima de Clausewitz, “a guerra é a continuação da política por outros meios”. Fixemo-nos por instantes no seu livro “Da Guerra”, do qual a frase é retirada. Foucault, décadas depois, sugeriu a sequência inversa: a política como continuação da guerra por outros meios. Assistimos a isso no período de confrontação não armada do pós-2ª guerra, salvo as guerras por proxy (intermediários) em distintos cenários bélicos, da distante Indochina à familiar Angola, tocando quase todos os continentes. A confrontação armada não é inevitável mesmo que a guerra decorra por outros meios.

A terceira perspectiva relevante é económica. No sistema económico global, o fornecimento de recursos energéticos pela Rússia à vizinhança alargada – petróleo e gás, fundamentalmente – representa um extraordinário trunfo. A segurança energética determina a política das grandes potências e o realinhamento das alianças tradicionais. No início do ano foi inaugurada a 2ª linha do oleoduto para a China, duplicando o volume de exportações de petróleo bruto da Rússia de 15 para 30 milhões toneladas/ano. A política dos oleodutos alimenta qualquer consideração séria de política externa, sem esquecer a referida Rota da Sede, com que a China confronta, em termos de influência económica, não apenas a Rússia mas o próprio Ocidente.

Finalmente, a perspectiva geoestratégica recupera conceitos da velha alteridade entre a potência continental e as potências marítimas, mediterrânicas e sobretudo atlânticas. Nos quase 15 anos em que o sistema político internacional foi unipolar, a Rússia submeteu-se às decisões dos EUA, com uma consequência principal: toda a cintura de segurança tradicional do país, do Norte báltico ao extremo asiático (Vladivostok, para simplificar), passando por alguns dos territórios fundadores da nação, como a Ucrânia e as antigas Repúblicas soviéticas da Ásia Central, ficou ameaçada pelo avanço inexorável das Alianças ocidentais (e da China, quiçá…).

São perspectivas válidas, a merecer reflexão e aprofundamento. Sugiro uma quinta razão, menos referida, certamente não a única nem a mais decisiva, mas que talvez facilite a síntese entre os distintos cenários analisados: a dimensão identitária e nacional da Rússia.

Não se trata aqui da Rússia soviética, revolucionária e internacionalista, a despeito da narrativa nacionalista estrita (e estreita) imposta por Estaline a partir dos anos 30, mas da velha Rússia do baptismo de Rus, de 988, quando em Kiev Vladimir o Grande aceitou a conversão do seu povo ao cristianismo de rito bizantino. Em 2005, o historiador Nicholas Riasanovsky, no livro “Russian identities: a historical survey”, fez assentar a formação da identidade russa nessa antiquíssima fundação e nos séculos que se lhe sucederam, de certa forma negando a origem moderna da Nação teorizada por autores como Hobsbawn, Anderson e Anthony Smith. Mas interessa-me mais outra tese expendida no livro: a de que a experiência soviética, os anos entre 1917 e 1989, foram um desvio no percurso histórico da afirmação da identidade e nacionalismo russos. Uma ruptura da continuidade da história iniciada em Kiev, sujeita depois à dominação mongol – dos Tatares –, até à sua expulsão definitiva por Ivã o Grande; da unificação sob Ivã o Terrível à longa dinastia Romanov de Pedro e Catarina a Grande, passando por Napoleão e pela inexorável decadência que levou à Revolução bolchevique. Não é uma tese evidente, pois para muitos analistas o Estado soviético foi responsável pela consolidação de uma identidade multiétnica e pelo desenvolvimento económico e militar do país.

Eu, pelo contrário, considero que patriotismo e crença ortodoxa, fundados nos velhos baluartes de uma identidade secular de um país que cobre mais de um nono da área terrestre do planeta, são a essência da reconstrução pós-soviética, que devolve à Rússia a sua histórica identidade. Herdeira de um dos dois maiores e mais poderosos exércitos do planeta, dona de importantes jazidas de petróleo e gaz natural (50% das suas receitas), não demorou mais de dez anos até que começasse a superação do trauma da queda do Muro e do fim da URSS.

Mas se a identidade russa não é soviética nem nunca foi, também não é Ocidental nem nunca o será. E o que conta é a sua zona de influência imediata na era pós-soviética, cujo domínio a Rússia (e Putin) estão dispostos a recuperar nem que seja pela força. O objectivo é restaurar a “Nação Russa”, identitária, nacionalista, ortodoxa, unindo-a numa grande comunidade civilizacional. Ora esse objectivo depara aos olhos dos russos com um obstáculo perturbador: a expansão dos interesses ocidentais, isto é, outra vez, da Nato e da UE. Em Danang, no final de 2017, Putin expressou a estratégia da Federação: “Como um grande poder eurasiático (…) apoiamos a ideia de formar uma zona de comércio livre Ásia-Pacífico. (…) o projecto de criação da zona de livre troca deve ser desenvolvido tendo em conta a experiência da implementação dos formatos chave de integração na região da Ásia-Pacífico e da Eurásia, incluindo a União Económica Eurasiática (…)”. A luta de influência entre Rússia e UE, com a sua política de parceria a leste e celebração de acordos de integração económica, já levou à perda pela Ucrânia (o berço de Rus) da Crimeia e de uma parte do seu território. A presença da NATO às portas da Rússia ameaça agravar o conflito.

A Europa, os EUA e as alianças ocidentais podem e devem defender-se. O envenenamento por agentes químicos do agente duplo Sergei Skripal e da filha é um degrau mais nessa escalada, a que aliás se seguiu a imediata subida de outros, como a expulsão em massa de diplomatas. Mas as razões para a presente situação são múltiplas e complexas. De política pura (do poder, portanto), económicas, militares, geo-estratégicas e identitárias. Essa complexidade, a não ser compreendida, levará inevitavelmente os líderes ocidentais a cometer demasiados erros e a adoptar políticas seja timoratas seja precipitadas. Já se vislumbram algumas consequências dessa dupla e contraditória insuficiência, seja na questão síria, seja no risco eventual de saída da Turquia da Nato. O urso russo pode e deve ser confrontado mas não é aconselhável encurralá-lo. Permitam-me concluir com uma frase de Winston Churchill, por estes dias tão em voga, dita num discurso radiofónico em Outubro de 1939:

“Não consigo antecipar a acção da Rússia. É uma adivinha, embrulhada num mistério, dentro de um enigma; mas talvez haja uma resposta. A resposta é o interesse nacional da Rússia”. Será fácil, afinal?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Despedida /premium

Paulo de Almeida Sande
166

Foi um gosto ter escrito aqui durante 4 anos e meio, desde o 1º dia. Conheci a ambição, alegrei-me com o crescimento, rejubilei com o sucesso. Escrevi, em total liberdade, sobre os mais variados temas

Brexit

Modo de sobrevivência /premium

Paulo de Almeida Sande

Se houver visão, espírito grande e coragem, os líderes políticos britânicos tomarão a decisão certa e, com espírito democrático e a lucidez de perceber o que está em jogo, devolverão a palavra ao povo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)