Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foram precisos três anos e meio para o PS dizer ter “vergonha” do caso Sócrates. Ironicamente, o envergonhado de serviço foi Carlos César, o presidente do partido que não tem vergonha de cobrar viagens em duplicado nem de ter metade da família empregada no Estado. Em boa verdade, César foi por lã e saiu tosquiado. Quando tentou tornar o independente Manuel Pinho no cordeiro a sacrificar para não agitar os pecados do último Governo socialista, despertou todos os fantasmas desse passado vergonhoso para a democracia portuguesa. Porque é impossível falar de Pinho e não dizer nada sobre Sócrates. Ou sobre Salgado. Ou sobre Mexia. Ou sobre os gestores da PT.

Mais. Pinho não arrasta apenas Sócrates. Leva também atrás quem se sentava nas restantes cadeiras daquele Conselho de Ministros. Se nada viram, ou fecharam os olhos ou estavam completamente cegos. Se nada perceberam, ou não contavam para nada ou entram no rol dos suspeitos de que eram gente a ter em conta. E há dois deles que estão de novo nos mesmos assentos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.