Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

São raros, muito raros os casos de condenações por negligência médica em Portugal. Nunca percebi se por uma questão de corporativismo durante a investigação e julgamento, se pela dificuldade real em perceber se o médico errou porque os erros fazem parte de todas as profissões, ou porque simplesmente foi mau profissional. Mas no caso do obstetra Artur Carvalho, ou o médico do bebé sem rosto — como ficará conhecido — parece-me que já não restam muitas dúvidas. As evidências mostram que tudo falhou: falhou o controlo do sistema de saúde, falhou a Ordem, falhou a Justiça e falhou-lhe a ele tudo: consciência e o profissionalismo.

Estou para escrever este artigo desde que o caso foi conhecido. A história de Rodrigo, o bebé sem rosto, é tão revoltante, que necessitava contudo de ponderação e investigação. Do benefício da dúvida. Por mais que saiba que aqueles pais jamais perdoarão e conseguirão ultrapassar o mal que lhes foi feito, e que sofrerão as consequências deste caso toda a vida, era preciso perceber o que tinha corrido mal.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.