Rádio Observador

PS

João Galamba e o caso Sócrates: “Obviamente envergonha qualquer socialista”

505

Deputado socialista admite que partido está "incomodado" com suspeitas que recaem sobre antigo primeiro-ministro e ex-ministro Manuel Pinho, mas que PS não tem de "fazer atos de contrição diários".

TIAGO PETINGA/LUSA

“Obviamente que é algo que envergonha qualquer socialista, sobretudo se as matérias de que é acusado se vierem a confirmar.” A frase foi proferida pelo deputado do PS João Galamba no programa Frente a Frente da SIC Notícias, em referência à acusação que pende sobre José Sócrates e na sequência das declarações desta quarta-feira do líder parlamentar Carlos César, que foram no mesmo sentido.

Já a propósito das notícias recentemente divulgadas sobre o ex-ministro do Governo Sócrates, Manuel Pinho, e a proposta do Bloco de Esquerda de abrir uma comissão de inquérito sobre o tema, Galamba comentou as suspeitas de corrupção de que são alvo os dois ex-governantes: “O PS acha que estes casos se resolvem antes de mais na justiça”, ressalvou o deputado. “Agora, se me perguntam se fico satisfeito por um ex-secretário-geral do PS, que foi antigo primeiro-ministro, estar formalmente acusado, obviamente que não.”

Questionado sobre por que razão o partido não se tem pronunciado mais frequentemente sobre a Operação Marquês, João Galamba sublinhou que o PS não tem de dizer “todos os dias” que está “muito incomodado”. “É evidente que está, o PS sempre esteve incomodado”, afirmou, voltando a sublinhar no entanto que estas são matérias que devem, antes de mais, ser tratadas pela Justiça. “António Costa afastou-se deste tema e, ao contrário do que muita gente pretendia, não envolveu o partido na defesa ou no ataque a José Sócrates”, disse. “O PS não tem de andar a fazer atos de contrição diários”, acrescentou o deputado.

Sobre a proposta de abertura de uma comissão de inquérito a Manuel Pinho feita pelo BE e apoiada pelo PS, Galamba justificou a decisão com as contradições do próprio: “Estamos sobretudo perplexos com a revelação pública de que houve um ministro de um governo socialista que recebia mensalmente verbas, quando disse publicamente que tinha cessado toda e qualquer ligação com o BES”, explicou. A audição do ex-ministro justifica-se agora e não antes, explica Galamba, “porque surgiu algo aqui que contraria declarações publicas de Manuel Pinho. E que é um caso verdadeiramente insólito se for verdadeiro.”

Provocado pelo deputado do PSD Duarte Marques sobre o desconhecimento alegado por outros membros do Governo que estiveram nos mesmos conselhos de ministros em que Pinho esteve presente (como é o caso de Augusto Santos Silva), Galamba reagiu acusando o PSD de estar a lançar uma “suspeita generalizada”. “Não se pode lançar uma suspeita generalizada, da mesma maneira que eu não olho para Miguel Macedo e não lanço uma suspeita generalizada”, declarou, referindo-se ao ex-ministro da Administração Interna do anterior Governo, acusado de tráfico de influências no caso dos vistos Gold.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)