Crise no PS

Costa e as duas lições por aprender

Autor
340

Seguro passou três anos a tentar livrar-se da claque socrática que herdou, Costa depende dela para atingir a liderança. Não é mania da perseguição, é um facto.

O entusiasmo que António Costa tem gerado nas hordas socialistas torna evidente que o PS ainda não entendeu duas importantes lições impostas pela crise económica. A primeira é que já não basta prometer mudanças para alcançar o poder – a tradicional alternância política entre grandes partidos de governo está ameaçada. A segunda é que um projecto político com futuro tem de passar por um repúdio pelas opções do passado. Ora, o presidente da câmara de Lisboa lançou-se à conquista do partido, sobretudo para fins de sobrevivência política – sem margem para se candidatar à presidência da república, por causa de Guterres, atirou-se às sobras. Não apresentou uma ideia, uma medida, um projecto. Nem sequer uma diferença que o distinga da actual liderança socialista. Mas as diferenças estão lá. E denunciam o quanto o PS decidiu passar ao lado destas lições.

A primeira diferença é a imagem. Ao contrário de Seguro, Costa é telegénico, circula nos bastidores mediáticos e tem uma espécie de aura cool que lhe garante imunidade noticiosa. Exemplo? Costa negoceia a recolha do lixo com os sindicatos e cede em toda a linha, resultando numa factura de 2,25 milhões de euros para a capital – mas a notícia surge como uma vitória: Costa conseguiu que houvesse recolha do lixo. Outro exemplo? Seguro e Passos têm fama de boys partidários, crescidos e alimentados pelos partidos em que militam. Costa, que milita no PS desde a adolescência e através do PS ocupou cargos políticos consecutivamente nos últimos 30 anos, tem fama de ser um grande político.

Ou seja, a imagem de Costa vale mais do que as suas ideias, das quais aliás tem prescindido. Isto é, de resto, um bom reflexo dos tempos de sobre-exposição mediática em que vivemos, nos quais reinam o politicamente correcto e o imediatismo. Medida em número de likes no facebook, uma boa ideia para o país vale sempre menos do que uma gaffe. O melhor é não arriscar. Quando se está na oposição, as eleições ganham-se com sorrisos. E ficando calado.

Reconheçamos que a táctica funcionou durante uns tempos. Os mesmos em que a alternância política entre grandes partidos era tão natural que se ia a votos apelando à mudança, como quem diz “agora é a minha vez”. Só que, entretanto, o mundo mudou, e a queda dos partidos tradicionais de poder está aí para o demonstrar. A alternância deixou de estar garantida. E prometer a mudança já só é agregador se essa estiver alicerçada numa alternativa política clara e perceptível. Em tempos de austeridade, com salários e empregos ameaçados, as pessoas querem soluções, e à falta de boas estão dispostas a aceitar as más. Já ninguém está para aturar vacuidades ou sorrisos telegénicos. Ou se tem um projecto político, ou não se tem. E Costa não tem.

A segunda diferença entre Seguro e Costa são as companhias. Seguro passou três anos a tentar livrar-se da claque socrática que herdou, Costa depende dela para atingir a liderança. Não é mania da perseguição, é um facto. O grupo parlamentar do PS, escolhido por Sócrates, já se declarou quase integralmente contra Seguro, reeleito líder pelo partido há cerca de um ano. E um dos principais apoiantes de Costa, o Deputado Pedro Nuno Santos, já deu o mote. Em entrevista ao semanário SOL (12.06.2014), reconheceu que “nós não temos nenhum problema com Sócrates”. E em artigo no jornal i (11.06.2014), diagnosticou o problema do PS: “deixámos que se consolidasse no país a ideia de que estamos em crise porque o governo anterior gastou de mais”. A história repete-se. Um partido que não aceita o lado negro do seu passado arrisca-se a repeti-lo – e, claro, não terá futuro.

Sim, Seguro não construiu uma alternativa política, o PS vai passar uns meses contando espingardas e Costa até pode ganhar. Mas o entusiasmo socialista com tal possibilidade, assim sem mais nem menos, é revelador de que algo está mal pelos lados do Rato. O que distingue Costa de Seguro não é muito mais do que a imagem e a herança socrática – a da arrogância e do vício do endividamento. Que o PS acredite poder construir um projecto de mudança sem uma alternativa e à base de planos telegénicos é preocupante. Que o PS opte por rejeitar o presente e sonhar com o passado é trágico. Pior do que tudo, é revelador de que os socialistas não perceberam nada do que aconteceu ao país desde 2010.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

O faz-de-conta /premium

Alexandre Homem Cristo
421

O governo promete, aloca verba mas lança concursos públicos abaixo do preço de mercado, que ficam vazios. Incompetência? É mais provável o contrário: eis uma forma hábil de controlar a despesa pública

Rui Rio

O problema está na mensagem /premium

Alexandre Homem Cristo
269

Rui Rio registou-se nas redes sociais para comunicar sem a intermediação (que considera negativa) dos média. A única coisa que conseguiu foi confirmar que o problema está mesmo na sua mensagem.

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)