Governo

Do PS forte ao PS fraco

Autor
1.118

Pablo Iglesias explicou que não convinha ao Podemos que o PSOE saísse “forte” das eleições. Percebe-se: o que lhe interessa é um PSOE na posição em que Costa pôs o PS, derrotado e dependente.

Contavam os mais velhos que quando queriam saber o que se passava em Portugal ouviam a BBC. Era nos tempos da censura. Mas há poucos dias, muita gente terá tido a mesma sensação ao ler o artigo que o El País dedicou a António Costa. Eis, em espanhol, o que ninguém em português pode escrever: que Costa foi, nas eleições, o “pior de todos os candidatos”, que acabou derrotado por seis pontos percentuais de diferença, e que apenas chegou a primeiro-ministro por ser um “grande malabarista”.

O artigo de El País foi por cá muito partilhado. Percebe-se porquê: na imprensa da paróquia, Costa é um génio, cercado de competências e destinado a conquistar “Portugal inteiro” com o aumento da “procura interna”. E quem diz o contrário, está “ressabiado” ou é “radical”.

A puxar pelo situacionismo não estão só os costistas. Está quase toda a oligarquia, que sempre ansiou, nestes últimos quatro anos, por ver o Partido Socialista no poder. Percebe-se porquê: o PS foi, desde 1976, o partido que se podia entender com todos. Ao contrário de outros partidos sociais democratas europeus, não estava comprometido com sindicatos poderosos. Dizia-se de esquerda, mas a direita habituara-se a votar nele. Governou sempre conforme os ventos, entre os prós e os contras: umas vezes reformando e outras resistindo às reformas. Confundiu-se de tal modo com o regime, que a sua ideologia passou a ser aceite como senso-comum.

Acontece que António Costa comprometeu essa qualidade central do PS. O PS depende hoje do PCP e do BE como nunca dependeu de nenhum outro partido desde 1976. Porquê? Porque o PS perdeu as eleições, e só poder ser governo por mercê do PCP e do BE, sem alternativa. É, por isso, o elo fraco da “nova maioria”. O primeiro resultado desta situação foi a diluição do poder de governo num regime de assembleia, como já se se constatou no caso da educação. Mas o parlamento não é toda a história: há também a rua, onde o PCP prepara a inevitável vaga de greves nos transportes públicos. A oligarquia tinha uma esperança: com o PS aliado à esquerda, dissipar-se-iam os chamados “conflitos sociais”. Era uma ilusão. O PCP obrigará Costa a beber a taça da humilhação até ao fim. Pelo que disse ontem na Assembleia da República, Costa já deve ter percebido para que está destinado: “Aquilo que o PCP não está disponível para apoiar, é aquilo que nós não estamos disponíveis para propor”. É este o PS por que o PCP esperou durante quarenta anos.

Anteontem, Pablo Iglesias explicou que não convinha ao Podemos que o PSOE saísse “forte” das eleições. Percebe-se: o que lhe interessa é um PSOE na posição em que Costa pôs o PS, derrotado e dependente. Mas se este PS fraco serve à esquerda radical, a quem mais serve? Na companhia do PCP e do BE, Costa pode repor rendimentos e aumentar impostos. Mas preparar o país para competir no mundo do euro, da UE alargada e dos mercados abertos, e construir um sistema social eficiente e sustentável, como tenta Matteo Renzi em Itália ou propõe Emmanuel Macron em França? Preso ao PCP e ao BE, Costa pode ficar, perante “os bloqueios estruturais à competitividade” (expressão de Costa), na situação de irrelevância em que o líder trabalhista Jeremy Corbyn está no Reino Unido perante a questão da defesa.

É neste contexto que a moção de rejeição do PSD e do CDS ganha um sentido diferente do que lhe tem sido atribuído. Os costistas clamam que só servirá para cimentar a Frente Popular, como se o objectivo mais importante para o PSD e o CDS fosse dividir a “maioria de esquerda”. O costismo não percebe que o que interessa à direita é reforçar a Frente Popular, para tirar ao PS o seu papel privilegiado no regime. A direita foi tentada pelo curto prazo. Mas compreendeu que a médio prazo o prémio será maior. Talvez El País possa explicar isso um dia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Reino Unido

Não se riam do Reino Unido /premium

Rui Ramos
502

O Brexit revelou os limites da democracia numa Europa perplexa perante um mundo que lhe escapa. Não se riam do Reino Unido, para o resto do mundo não se rir de vós.

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
1.072

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Eleições Europeias

A mudança (que se impõe) na Europa

Rodrigo Saraiva

Ao invés do que supus, Macron tem desperdiçado as oportunidades para ser um agente da mudança. Aquilo que era um aparente europeísmo tem vindo a mostrar-se um eurocentrismo com toques de egocentrismo.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)