Não vale a pena esconder uma realidade. De um modo geral não se gosta de ciganos. Pelo menos em Portugal e em Espanha. Desconfia-se. São um grupo que nos parece estranho e isso é muito patente para o melhor e pior. Têm hábitos e modos de vida que não se integram facilmente. Estão, por necessidade identitária, presos a um conjunto de comportamentos que, paradoxalmente, os protege da animosidade ou indiferença alheia.

Há uns meses fiquei impressionado com um cigano que me abordou no cais de embarque do ferry para Tróia, em Setúbal. Tentava vender-me um relógio e a sua frase de apresentação foi:

– Sou cigano, mas sou honesto.

Não disse apenas que era honesto. Nem deixou de sentir necessidade de me dizer que era cigano. Cigano, mas honesto. Como se não pudesse ser as duas coisas naturalmente. Era honesto apesar de cigano. Este homem tinha “bebido” o estereótipo com que cresceu, mergulhado em discriminação e intolerância. Precisou de se declarar diferente daquilo que ele julgava ser a minha ideia primária sobre aqueles do grupo a que pertencia. É certo que há ciganos ladrões, gatunos, agressores violentos, assassinos e traficantes. Há mais criminosos ciganos do que não ciganos? Não sei. E se houver, interessaria tentar perceber porquê, já que não será, certamente, o resultado de uma predisposição genética.

O facto de serem um grupo muito evidente nas vestes, na escolha da cor negra, no fenótipo e no comportamento gregário, torna-os vulneráveis à discriminação. Mas é também o seu gregarismo que nos deve fazer meditar sobre alguma da humanidade que todos perdemos. É comum, nos jardins dos hospitais que ainda os têm, ou à porta de qualquer lugar onde esteja um cigano doente, aglomerarem-se ciganos, literalmente acampados, acompanhando toda a família que passou a ser sua. E cantam, choram, carpem, fazem barulho e até incomodam. Mas o incómodo maior deve ser, para todos nós, sabermos que não nos conseguimos importar com os “nossos” tal como os ciganos se importam com os “seus”. Exibição social ritualizada? Sem dúvida, mas é o grupo que os protege. Tratei, ao longo da minha vida profissional, alguns ciganos. Há uma de que guardo uma memória eterna. Tratei-a quando criança. Felizmente, curou-se. Teria algures entre 5 e 7 anos. Não tenho já a certeza. Pobre, muito pobre. Durante mais de 15 anos, quase todos os anos, ia visitar-me, acompanhada do seu pai para me dar um beijo. Quando estive fora do hospital perdi-lhe o rasto. Culpa minha que deveria ter ficado com o contacto, mas a pressa da mudança não me deu para organizar a saída.

Sim, os ciganos precisam de acompanhamento especial. São comunidades muito vulneráveis. Até pela violência de grupo com que frequentemente respondem à perceção de ameaças. Precisam de ser educados, de ferramentas que os afastem do ciclo de pobreza em que vivem, de intervenção nas suas tradições mais nefastas. Precisam de que se lhes dê confiança e capacidade de escolher uma vida melhor. Precisam de programas de apoios que não os perpetue na preguiça de continuarem a fazer o que sempre fizeram.

Todos se indignaram com uma ideia de confinamento seletivo para os ciganos, povo Roma se preferirem. Não faria sentido, como não faria sentido enclausurar qualquer outra etnia. Estou até convencido que o confinamento a que se votaram alguns Europeus foi excessivo. Mas não ouvi ou li ninguém aproveitar a oportunidade para reivindicar mais ajuda, mais saúde, mais acompanhamento para estas comunidades de cidadãos nacionais que se insiste em só chamar ciganos.

Vejamos outros exemplos de como as taxonomias são geradoras de grandes enganos.

“Penso que ser gay é uma vantagem para mim. Tornou-me uma pessoa mais autêntica, com melhor empatia, melhor inteligência emocional. Se eu não fosse gay se calhar não seria CEO do banco.” Esta frase é de uma arrogância extraordinária. Foi proferida por um tipo que deu uma entrevista em 2015, recentemente republicada, para basicamente estar o tempo todo a dizer bem de si. Parece que é um banqueiro de sucesso. Ainda bem para ele que certamente merece o cargo.

Ninguém pode afirmar se os determinantes que levaram o cérebro deste senhor CEO a preferir ter sexo com pessoas do mesmo sexo, homens neste caso, são os mesmos que o levaram a ser inteligente, trabalhador ou merecedor de confiança suficiente para ter os cargos que foi tendo. Nem se pode saber se as características que o tornam um bom profissional são as mesmas que o levaram a ser homossexual. Nem eu sou melhor ou pior médico por ser heterossexual, careca e branco. Quanto a ter crescido numa família de classe média, em Lisboa, filho de um licenciado, já não tenho dúvida que fez toda a diferença. Ora, homossexuais com boas condições sociais há muitos, ciganos há poucos.

Mais um caso. “Sandro Bernardo não é um criminoso. É uma pessoa comum, como nós e não alguém violento”, argumenta Roberto Rosendo, advogado do pai de Valentina que foi detido por ser suspeito do seu homicídio juntamente com a madrasta. “Infelizmente algo correu mal lá em casa. Ele não queria nem previa aquilo que aconteceu. E a minha defesa irá por aí”.

Pois não, o Sr. Sandro Bernardo, mesmo que venha a ser condenado por um crime horroroso, não será criminoso. Assim entende o seu advogado. Não duvido que até possa ter razão. O que é ser? Sinceramente, neste caso, não será relevante. Se matou, deverá ser castigado. É claro que isto nos remeteria para a importância e significado do “castigo”. A verdade é que um assassino pode não ter condições para voltar a ser livre. Nem todos os criminosos, ainda que sendo imputáveis, são reabilitáveis e não vale a pena acreditar em histórias da carochinha. Há pessoas que são más, com maldade, o que não depende de estereótipos étnicos ou genéticos. Provavelmente terão de viver, com a dignidade possível, longe da sociedade em que não podem estar. Mas a discussão sobre a pena de prisão perpétua não pode passar só por este caso. Não é uma questão sentimental. A questão é saber se há pessoas que, a somar ao tipo de crime cometido, têm características pessoais imutáveis que aconselhem o seu afastamento definitivo da vida em sociedade.

Há temas que já não deviam ser motivo de discussão. É o caso da homossexualidade do CEO luso que não me interessa, nem deveria interessar a ninguém. É lá com ele e não quero saber. O homem já devia estar em fase de ser adulto, confiante nos seus méritos, assumido nos seus gostos e longe da ingenuidade cobarde de que se pode ser melhor ou pior por gostar mais de homens ou de mulheres. Preferências sexuais não definem competências.

Da mesma forma, já é tempo de olharmos para os cidadãos como um coletivo de pessoas que aceita viver de acordo com os valores e princípios da liberdade, tolerância e igualdade de direitos e deveres. É dessa integração que os ciganos precisam, não é de um suposto herói futebolista. Nem de vigilância no confinamento. Em termos de saúde pública precisam de acompanhamento e isso até pode passar por lhes ensinar a protegerem-se e a proteger os outros. Não é bem o mesmo que os confinar no gueto.

E as penas por crimes violentos devem ser avaliadas e revistas em termos dos objetivos do direito penal e da sociedade que o patrocina. Aí, da mesma forma que me insurgirei sempre contra a pena de morte, seja para que crime for, entendo que somos demasiado brandos no que ao afastamento social de perigosos sociopatas diz respeito. Cá está um assunto em que a comunidade médica deveria ser ouvida.

Temos de abandonar o discurso apoiado em bordões estereotípicos. Facilita, mas é passível dos erros próprios das generalizações. Erros tão grandes como a dimensão do que se generaliza.