Médio Oriente

Jerusalém

Autor
704

A decisão de Trump sobre Jerusalém rompe com a hipocrisia vigente quando se fala do Médio Oriente, que tudo na aparência igualiza para na verdade sistematicamente condenar Israel desde o princípio.

Sendo, na aparência, um dos poucos portugueses que não é cidadão dos Estados Unidos da América, pouco falo de Donald Trump. No máximo, com as raríssimas pessoas com quem falo de política, o que me vem à cabeça é dizer que, com a excepção de Donald Trump, tudo conspira para me fazer simpatizar com Donald Trump. Não é um raciocínio muito elaborado, mas confesso que ao ler notícias em jornais onde, a partir de uma fotografia de Trump com os atacadores do sapato direito desapertados, se elaboram desenvolvidas doutrinas sobre a sua política nacional e internacional, é aquilo de que sou capaz.

No entanto, o seu reconhecimento ontem de Jerusalém como capital de Israel, no seguimento de uma decisão do Congresso americano datada de 1995, levou-me a sentir com ele um acordo que antes nunca experimentei inteiro. Porque, na malsã atmosfera de hipocrisia política em que se vive, o gesto não é despiciendo e manifesta, contrariamente ao que por aí imediatamente se escreveu, alguma sensatez. Traz problemas? Traz, sem dúvida. Mas representa a possibilidade de um novo início das coisas, que rompa com a hipocrisia vigente quando se fala do Médio Oriente, que tudo na aparência igualiza para na verdade sistematicamente condenar Israel desde o princípio. Não digo que a hipocrisia não seja por vezes necessária em política (e, de resto, nas relações humanas em geral) e não tenha, em certas situações, bons frutos. Acontece que neste caso preciso nenhuma necessidade a guia e os frutos são maus.

Em 2003, publiquei conjuntamente com Fernando Gil um livro intitulado Impasses, seguido de Coisas vistas, coisas ouvidas, por Danièle Cohn. O livro lidava com a reacção ocidental ao 11 de Setembro e ao terrorismo islâmico, incluindo um capítulo sobre a segunda guerra do Golfo. Antecipando tudo o que se dirá e escreverá por estes dias acerca de Israel, fui reler algumas páginas então escritas. Reproduzo aqui uma passagem do livro. Dada a sua extensão, decidi omitir as referências ao que então era a opinião comum do muito que se publicava. Guardo apenas uma que é particularmente ilustrativa. Miguel Sousa Tavares explicava por essa altura que Israel é “a maior ameaça à paz mundial”, continuando: “Se algum dia o planeta implodir, vai ficar a devê-lo a Israel e à dependência política do establishment americano relativamente ao lobby israelita dos Estados Unidos”. Israel, note-se, é “a maior ameaça à paz mundial”. O que se segue, entre aspas, é o que no livro é dito em relação a essa doutrina comum, com que teremos de voltar a conviver em breve, sobre Israel. Limitei-me, tirando pequenos detalhes, a alterar o texto num ponto: duas afirmações citadas vêm agora com os seus autores devidamente identificados. (Quando escrevemos o livro, Fernando Gil e eu optámos por não referir directamente os autores, porque o que nos interessava era estabelecer o quadro geral de uma atitude dominante na opinião publicada no que respeitava ao pós-11 de Setembro.)

“A questão de Israel é infinita. Os pontos serão portanto aqui selectivos. O ódio a Israel não foi sempre, muito pelo contrário, uma característica da Esquerda. Ele acompanha-se da descoberta, nessa mesma Esquerda, de uma paixão, a que nada historicamente a obrigava, pelo terrorismo. Israel é uma sociedade democrática (segundo qualquer um dos critérios ao nosso dispor: critérios que remontam ao exemplo do exercício da sociedade ateniense no século V a. C.), rodeada de sociedades que, segundo esses mesmos e exactíssimos critérios, não são, nem de perto nem de longe, democráticas.

“O ódio a Israel relaciona-se com uma tendência relativamente recente de uma parte substancial da Esquerda a, em linguagem e em acto, abandonar os patamares da democracia. O ódio a Israel – e, diga-se por fim, a palavra ódio não é exagerada – tem a ver com o desprezo crescente que essa mesma parte da Esquerda ostenta pelos regimes do Ocidente e pelas democracias representativas (“socialmente fascistas”, nas palavras do Prof. Boaventura Sousa Santos). Israel é objecto do desprezo que só timidamente – e por vez ou outra mais atrevidamente – se enuncia em relação à democracia em geral.

“Percebe-se. Israel: sociedade democrática responsável por si mesma. Israel: sociedade onde os actos do Governo são fiscalizados e censurados através do voto. Israel: sociedade onde os cidadãos livremente se manifestam contra as decisões políticas do seu Governo. Israel: sociedade onde a vida dos cidadãos é livre, onde, entre outras, as coisas do amor são abertamente discutidas. Israel: sociedade onde o masoquismo “suicida-ideológico” não faz parte dos costumes políticos e onde, como optimamente Alain Finkelkraut escreveu um dia, não se encontra nenhuma disposição para “expiar os horrores da história ocidental”, porque parece aos seus cidadãos – e não se vê como lhes negar autoridade para essa reflexão – “terem sofrido eles próprios mais do que lhes calhava nesse capítulo. Israel (ainda nas palavras de Alain Finkelkraut): “pequena nação: pequena em superfície; pequena em número de cidadãos; pequena no sentido mais profundo em que a sua existência não se encontra automaticamente garantida, em que permanece contestada trinta e cinco anos depois da criação do Estado [Finkelkraut escrevia em 1983]”. Israel: sociedade cuja auto-defesa – os problemas são esses, e não os mais alambicados da “auto-estima” – se joga dia-a-dia, contra terroristas que assassinam cegamente. Israel: voltemos ao princípio – sociedade democrática.

“O ódio a Israel é o ódio recalcado que uma parte do Ocidente vota a si mesmo. Não é acidental que as críticas à democracia e as críticas a Israel se fundam no mesmo gesto. Elas transcendem largamente a preocupação com os sofrimentos que palestinianos ou israelitas experimentam no seu dia-a-dia. De facto, nada disso conta – nada disso tem de contar. O que interessa é a questão da existência, pura e simples, de Israel: é ela que está perpetuamente em causa. Tal como a da democracia.

“O jornalista (Miguel Sousa Tavares) que escreve que Israel é “a maior ameaça à paz mundial”, diz, sem obviamente o dizer com as palavras todas, que a democracia é a maior ameaça à paz mundial. Quando, levado pelo seu alegre raciocínio, conclui: “se algum dia o planeta implodir vai ficar a devê-lo a Israel”, diz (continuando a não se servir das palavras todas) que a democracia é a causa da destruição do mundo. E pode bem ser que venha a ter razão. Esperemos que não, mas pode ser que sim. Em todo o caso, não convinha que falasse como se estivesse a falar defendendo a democracia: o que ele pede é que se abdique de tudo. Não de várias coisas acidentais e secundárias, nem sequer daquilo que poderíamos pensar, com razão ou sem ela, ser o essencial – mas de tudo; nada mais e nada menos do que de tudo. Está, em suma, a pedir uma coisa impossível. Em primeiro lugar, impossível para ele mesmo. Mas não está, sem dúvida, a ser original.”

Citei esta longa passagem – escrita, repito, em 2003 – porque o que vem aí vai ser mais do mesmo. Não é que Israel não seja continuamente demonizada. É-o, de facto, sem interrupção. Não há cantor pop que não se veja policiado pelos profissionais dos “boicotes”. Mas a intensidade aumentará por estes dias. Entre outros por aqueles que, em nome de “negociações de paz” que se perpetuam de modo puramente fantasmático, desejam a todo o custo manter uma ficção que lhes é conveniente: a da possibilidade de um acordo entre quem quer continuar a existir e aqueles que apenas desejam a destruição. O que Trump fez tem pelo menos um mérito: introduzir um novo princípio num estado de coisas onde nenhuma solução verdadeiramente era possível. Pelo menos, com Jerusalém como capital de Israel, as coisas ficam mais claras. O que a médio prazo só pode ser bom.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futebol

A responsabilidade dos políticos /premium

Paulo Tunhas

Os nossos virtuosos políticos, em vez de manterem uma saudável distância que a dignidade da sua função exige, atropelam-se uns aos outros para ver qual mais ostenta o seu particular amor clubístico.

Caso José Sócrates

O orgulho e a vergonha /premium

Paulo Tunhas
112

A única forma de tornar a tal “vergonha” credível é não pretender que ela pode conviver com o “orgulho” da governação Sócrates. Até esse momento a posição oficial do PS só pode suscitar incredulidade.

José Sócrates

A corrupção e a vergonha do PS /premium

Paulo Tunhas
278

O que se passou com Sócrates é comparável ao que se passou em todos os outros partidos? Há algum caso semelhante ao que se passou no PS, não apenas por causa de Sócrates, mas também pelo próprio PS?

Médio Oriente

O Estado de Israel /premium

Manuel Villaverde Cabral
129

A Europa tem uma dívida cultural e humana imensa, sem preço, para com o povo de Israel. Basta lembrar que não há uma profissão qualificada nem um registo cultural relevante sem uma assinatura judaica.

Médio Oriente

Armagedão /premium

Paulo de Almeida Sande
126

A decisão sobre Jerusalém aumenta a tensão na Cidade Santa e torna mais difíceis as condições de vida dos palestinianos, 37% da sua população, cidadãos de Lugar nenhum.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)