Estados Unidos da América

Mas afinal quem manda no mundo? /premium

Autor

Washington passou por um dos mais embaraçosos momentos da sua história recente: parece ter deixado de ter poder suficiente para organizar aquela que é, há dois séculos, a sua zona de influência.

Há assuntos que podem ser impopulares, mas têm de ser abordados. Um deles são os acontecimentos da semana passada na Venezuela. Na terça-feira, Juan Guaidó foi libertar Leopoldo López – preso domiciliário do regime de Maduro – com pompa e circunstância, anunciou num vídeo no twitter que “o momento” era “agora”. Pediu aos militares (aparentemente agora do seu lado) que se juntassem na base militar la Carlota e à população que fosse para as ruas de Caracas, para que a Assembleia Nacional, liderada por si, finalmente recuperasse o poder usurpado.

Quem tem verdadeiro apego à democracia e, principalmente, à preservação da vida humana, ficou em suspenso. Os venezuelanos precisam urgentemente de um novo regime e com esse novo regime, de um recomeço, para que lhe sejam devolvidas as mais elementares condições de dignidade.

Mas em vez do que esperávamos, tivemos, no dia a seguir, uma conferência de imprensa do secretário de estado norte-americano, Mike Pompeo, a dizer que a Rússia tinha dado cabo dos planos. Ou melhor, tinham mesmo roído a corda: já havia um avião à espera de Nicolás Maduro para o levar para o exílio em Cuba. Mas os russos “convenceram” o líder bolivariano a ficar.

Esta conferência de imprensa é, no mínimo, bizarra. Sabia-se que um conjunto de países liderados pelos Estados Unidos estavam a fazer uma enorme pressão sobre o regime de Caracas para abandonar o poder e abrir caminho a que Juan Guaidó convocasse eleições livres. Também se sabia que a Rússia estaria a fazer a pressão contrária. No entanto, os EUA e os seus aliados pareciam estar em vantagem. Em circunstâncias normais, Guaidó não teria livre-trânsito para continuar a tentar derrubar o bolivarianismo. A pressão internacional – apesar dos discursos inflamados de Maduro – estava, pelo menos, a segurar o autoproclamado presidente.

Mas esta semana mostrou-nos que não é bem assim. Moscovo tem muito mais influência neste processo do que se poderia pensar à primeira vista. E, aparentemente, bastou uma intromissão para que os planos venezuelo-americanos fossem por água abaixo.

A Rússia negou, como nega sempre. Mas por muitas voltas que se deem, Washington passou por um dos mais embaraçosos momentos da sua história recente: parece ter deixado de ter influência suficiente para organizar aquela que é, há dois séculos, a sua área de influência. E é nestas questões que se mede a força e influência de uma grande potência.

Acerca deste assunto, as acusações de parte a parte sucederam-se e as negociações continuam. A Rússia parece dar mostras de estar a ceder – mas nos seus próprios termos. Não porque Moscovo tenha mais força que Washington. Mas porque sabemos que o regime de Putin tem levado as suas ameaças até às últimas consequências – usando a força militar se necessário – enquanto os Estados Unidos, apesar de terem garantido que iriam intervir se necessário, parecem estar cada vez mais reticentes em levar a sua coerção a cabo.

Mike Pompeo e Sergei Lavrov partem em breve para Helsínquia, onde terão uma longa conversa sobre a Venezuela. Para bem dos venezuelanos, deveria encontrar-se uma solução rapidamente. Maduro já não tem condições nem legitimidade para governar e a população precisa de um recomeço, o mais brevemente possível. Para que a catástrofe humanitária comece a retroceder.

Mas aconteça o que acontecer, uma coisa é certa: os Estados Unidos tiveram um grande revês no que respeita à autoridade que tinham no sistema internacional – por falta de vontade política ou por incapacidade. Para o caso tanto faz. E quando é assim, quando há um vazio de poder, não faltam candidatos para mandar no mundo. E a Rússia de Putin e a China de Xi Jinping estão na primeira fila para ocupar o lugar deixado vago.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Uma segunda oportunidade /premium

Diana Soller

O novo Parlamento Europeu mostra que a população nem quer mais hegemonias dos partidos tradicionais, nem agendas desproporcionalmente nacionalistas. Quer uma Europa renovada e geradora de consensos

União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)