Comunismo

O assassinato da família real russa era inevitável /premium

Autor
442

O assassinato de Ekaterimburgo não passou de um episódio do chamado “terror vermelho”, que ceifou milhões de vidas. Os comunistas começaram pelos nobres, mas depois a máquina de matar nunca mais parou

O assassinato da família czarista russa na noite de 15 para 16 de Julho de 1918, há exactamente cem anos, nada tem de extraordinário se tivermos em conta os milhões de pessoas que foram mortas pelo regime comunista soviético, mas, um século depois, esse acto continua a provocar acesas discussões, pois ainda são muitos aqueles que pretendem explicar o impossível.

Nessa noite os comunistas assassinaram a tiro toda a família do czar Nicolau II; esposa, quatro filhas e um filho, bem como alguns dos que os acompanhavam, num total de onze pessoas.  O crime foi cometido na cidade de Ekaterimburgo, nos Urais, mas os restos mortais enterrados numa floresta dos arredores para esconder o rasto do crime.

Cem anos depois os comunistas russos, e com eles alguns camaradas de outros países, tentam explicar o assassinato com a “necessidade revolucionária”, já que no país tinha lugar uma guerra civil sangrenta, mas, ao mesmo tempo, pretendem ilibar o líder revolucionário Vladimir Lénine desse crime.

É verdade que Nicolau II foi, talvez, o mais incompetente dos czares da dinastia Romanov, que governou a Rússia entre 1612 e 1917, tendo sido um dos principais responsáveis pela criação de uma situação desastrosa que abriu caminho à tomada do poder pelos bolcheviques em Novembro de 1917. Por conseguinte, como se costuma dizer, abriu a própria cova onde veio a ser enterrado. A mulher Alexandra estava também desacreditada na sociedade russa pois, entre outras coisas, era acusada de ser amante do aventureiro Grigori Rasputin e de ser “espiã” alemã, calúnias que carecem de fundamento.

Mas para quê matar jovens e crianças?

Esta questão leva-nos à análise do papel de Vladimir Lénine em todo este drama. Os comunistas russos, e não só, aproveitam o centenário para sublinhar que não existe nenhuma prova documental de que o líder revolucionário tenha ordenado o assassinato da família real, frisando que a decisão foi tomada pelos bolcheviques locais. E, ao que tudo indica, foi assim.

Porém isto é apenas menos de metade da verdade, pois também é sabido hoje que Lénine e outros dirigentes comunistas não condenaram o crime, nem nenhum dos carrascos foi vítima de qualquer tipo de repreensão ou repressão, pelo contrário, foram transformados em heróis revolucionários.

Além disso, mesmo antes de publicados numerosos documentos secretos dos arquivos soviéticos, já era evidente que Lénine, Trotsky ou Estaline não teriam problemas em dar a ordem de “cortar o mal pela raiz”. No caso do líder máximo da revolução, esse estado de espírito está evidente num artigo que ele escreveu em 1908 sobre o regicídio em Portugal.

Então refugiado na Suíça, Lénine escreveu o seguinte no artigo “Sobre o que aconteceu ao rei português”, publicado no jornal Proletarii de 19 de Fevereiro de 1908: “A imprensa burguesa, mesmo a mais liberal e “democrática”, não pode passar sem a moral da extrema-direita ao abordar o assassinato do aventureiro português”, acrescentando ironicamente que “…o sucedido com o rei português é verdadeiramente “um desastre profissional” dos reis”.

E acrescenta, para que não haja dúvidas sobre a posição dos bolcheviques: “Nós, da nossa parte, acrescentamos apenas que só podemos lamentar uma coisa: que o movimento republicano em Portugal não tenha, decidida e abertamente, dado cabo de todos os aventureiros. Lamentamos que no sucedido com o rei português seja ainda evidente o elemento de conjura, isto é, de terror que, na sua essência, não alcança os objectivos, sendo fraco o terror verdadeiro, popular, realmente renovador, que tornou famosa a Grande Revolução Francesa”.

Segundo ele, “até agora, em Portugal conseguiu-se apenas amedrontar a monarquia com o assassinato dos dois monarcas, mas não exterminar a monarquia”.

Depois disto ainda haverá dúvidas de que Lénine queria acabar com toda a casa real russa? A perseguição implacável que foi lançada contra os restantes membros da família Romanov (irmãos, tios, primos do czar) talvez ajude a esclarecer totalmente este assunto.

Ao longo destes cem anos foram-se criando mitos com vista a esconder o verdadeiro objectivo do crime. Uma das teses apoiadas até ao presente por diferentes forças, desde sectores dirigentes da Igreja Ortodoxa Russa até aos comunistas, consiste em que o assassinato da família czarista se tratou de um “ritual cabalístico”, ou seja, os “verdadeiros culpados” de tudo, como tantas vezes “aconteceu” na História, são os judeus. É verdade que a execução foi dirigida por um judeu, Iakov Iurovski, mas este era o único hebreu que participou no crime.

Aliás, a Igreja Ortodoxa Russa tem desempenhado um papel muito ambíguo em todo este processo. Embora numerosos estudos científicos tentam provado que os restos mortais encontrados nos arredores de Ekaterimburgo são dos membros da família real, os hierarcas ortodoxos recusam-se a reconhecer esse facto. Já no que respeita à “santidade” de Nicolau II, da sua mulher e filhos, eles não têm dúvidas, embora pelo menos a vida do último czar russo esteja longe de ser exemplar.

E se esses foram considerados santos, porque é que as restantes pessoas que, juntamente com eles, foram sujeitas ao martírio bolchevique não mereceram ser elevados aos altares? Só há uma explicação: entre eles estava um católico, o camareiro letão Aleksei Trupp.

Este centenário poderia ser um bom momento para nos debruçarmos sobre a História Russa em particular e sobre a violência na sociedade em geral. A família real russa, no fundo, já estava condenada à morte logo que os bolcheviques tomaram o poder, pois o assassinato de Ekaterimburgo não passou de um episódio do chamado “terror vermelho”, que ceifou milhões de vidas. Os comunistas começaram por matar nobreza e alta burguesia, monárquicos e liberais, socialistas de direita e de esquerda, anarquistas e outros “aliados descartáveis”. Depois, como é sabido, deram início ao extermínio mútuo e à criação de “inimigos do povo”, pois a máquina do terror não podia parar.

E isto não aconteceu apenas na Rússia, veio depois a China, as “democracias populares” do Leste da Europa, Angola, Afeganistão, etc. Impossível é arranjar exemplos que provem o contrário.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

Quem tem medo da revisão da História? /premium

José Milhazes
2.520

Senhor deputado, você fez-me lembrar a sua colega Rita Rato que, sendo formada em Relações Internacionais na Universidade Nova, não sabe o que foi o “Gulag” criado por Lénine, Trotski e Estaline. 

Comunismo

Quem tem medo da revisão da História? /premium

José Milhazes
2.520

Senhor deputado, você fez-me lembrar a sua colega Rita Rato que, sendo formada em Relações Internacionais na Universidade Nova, não sabe o que foi o “Gulag” criado por Lénine, Trotski e Estaline. 

Comunismo

Quando a "Pasionaria" virou católica…

José Luís Andrade
184

Depois de ter sido uma das figuras maiores da máquina de propaganda de Moscovo, a "Pasionaria" acabou os seus dias reconciliada com a sua fé de infância e juventude, tendo regressado à Igreja Católica

Política

Quem não os conhecer… /premium

Paulo Tunhas

Dispomos de um conjunto de palavras cuja repetição basta para nos situarmos no campo do Bem e combatermos, pelo exercício dessas mesmas palavras – “fascista!” – o Mal que não precisamos de inquirir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)