Rádio Observador

Moçambique

O futuro do empreendedorismo jovem em África

Autor
  • Daniel David
173

Em África, temos o dividendo demográfico necessário para capitalizar as mudanças, mas para isso devemos garantir aos jovens as condições e oportunidades de que necessitam.

De acordo com o mais recente relatório Doing Business do Banco Mundial, que monitoriza o enquadramento do mercado e a facilidade de fazer negócios para as empresas em todo o mundo, as economias da África Subsaariana, nos últimos dois anos, adotaram uma série de reformas que melhoraram significativamente o nosso ambiente de negócios. Em 2017 um recorde de 83 reformas foram implementadas em 36 das 48 economias da região, o maior número já registado pelo Banco Mundial. Como resultado, o número médio de dias para iniciar um negócio em África foi reduzido de 61 em 2003 para 22,5 dias em 2017.

Mesmo que a nossa região continue a ser uma das menos favoráveis ​​para estabelecer novos negócios, devemos orgulhar-nos da contribuição de todos – cidadãos, trabalhadores, empresas e governos – para alcançar estes ganhos históricos. No entanto, temos também que nos convencer de que este é o caminho certo, redobrando os nossos esforços para continuar a melhorar o tecido empresarial de África.

Neste processo, os jovens africanos são os que mais beneficiam, pois têm o maior potencial para aproveitar as oportunidades que se abrem. Nos jovens, reside o nosso dividendo demográfico e a força motriz de um desenvolvimento sustentável e inclusivo para toda a África.

Para crescer e prosperar, este potencial de desenvolvimento sustentável requer investimento e condições favoráveis; condições que só podem existir se os jovens tiverem mais e melhores oportunidades de participar activamente nas nossas economias. E, para isso, acredito que devemos acelerar o aprofundamento de nossas liberdades económicas, especialmente as dos jovens, porque a realidade que enfrentam todos os dias está cheia de desafios.

A probabilidade dos jovens economicamente activos encontrarem-se em situação de desemprego continua a ser consideravelmente maior do que para o resto da população, de acordo com o relatório de Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2017 da Organização Internacional do Trabalho. Embora o nosso continente tenha assistido a um crescimento económico durante a última década, isto não resultou numa maior disponibilidade sustentada de oportunidades de emprego e condições decentes para os jovens africanos. No caso do meu país, Moçambique, o desemprego dos jovens atingiu 42% em 2017, de acordo com as estatísticas do Banco Mundial.

Assim, abordar os problemas enfrentados pelos jovens a partir da perspectiva do desemprego é imperativo, sendo imprescindível combatê-lo. Mas esta abordagem não é suficiente. Defendo a criação de mais oportunidades de emprego de melhor qualidade, empregos nos quais as pessoas possam colocar os seus conhecimentos em prática, realizar seus projectos e contribuir para o desenvolvimento económico e social dos nossos países. Ao mesmo tempo, duvido que as nossas economias contem actualmente com as ferramentas necessárias para investir na criação de empregos com o ritmo necessário: a nossa população cresce a uma taxa tão alta que diminui a capacidade de qualquer país de gerar o volume de empregos necessários para a nossa juventude. As nossas economias devem ser mais dinâmicas no sentido de permitir e facilitar o desenvolvimento de negócios e o empreendedorismo. As oportunidades que os jovens africanos tanto necessitam surgirão com os incentivos e as condições apropriadas para a promoção da iniciativa privada. Neste contexto, o futuro está em os nossos jovens terem as condições para desenvolver as suas capacidades, o seu espírito empreendedor e colocá-los em prática. É por isso que devemos motivá-los a desenvolver, acreditar e apostar no seu talento. É por isso que devemos criar os mecanismos que garantam o seu acesso a formação e qualificação adequada. A promoção deste espírito empreendedor é de vital importância para o futuro das economias africanas. O sector privado, em conjunto com os governos e organizações da sociedade civil, podem e devem desempenhar um papel fundamental neste processo: as empresas privadas podem fornecer experiência de gestão e capital inicial para projectos de jovens; eles têm a capacidade de investir em pequenas e médias empresas que podem tornar-se parceiras como fornecedores ou clientes; podem também patrocinar competições de planos de negócios e estabelecer parcerias com universidades. Finalmente, o sector privado tem uma capacidade que poucas outras organizações têm para disseminar boas práticas e conhecimento além-fronteiras.

Neste contexto, o MOZEFO – Fórum Económico e Social de Moçambique não podia estar alheio a esta temática, tendo criado um projecto dedicado aos jovens. O MOZEFO Young Leaders, que realiza a sua segunda edição a 28 e 29 de Novembro em Maputo, é uma iniciativa que visa criar um espaço aberto de debate dedicado aos jovens moçambicanos e promover a partilha de conhecimento e experiências que possam contribuir para a sua formação e desenvolver as suas capacidades de liderança.

Por outro lado, o MOZEFO Young Leaders promove o debate em torno das temáticas do desenvolvimento económico que mais preocupam os jovens moçambicanos e estimular a sua participação cívica na sociedade.

O mundo está a mudar rapidamente e os jovens de hoje são a geração mais preparada da nossa história para enfrentar este ritmo de transformação. Em África, temos o dividendo demográfico necessário para capitalizar as mudanças, mas para isso devemos garantir aos jovens as condições e oportunidades de que necessitam. Quanto mais livres forem de perseguir os seus projectos, sonhos e empreendimentos, mais justo, solidário e sustentável ​​será o nosso futuro.

Presidente do Conselho de Administração da SOICO, o maior grupo privado de media de Moçambique

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)