Três Parágrafos

Os filhos são obrigados a amar a mãe?

Autor
5.112

Para agravar as penas interiores de quem atravessa uma vida sem a certeza moral do amor da sua mãe, sabemos que até à adolescência todas as crianças preferem ficar com uma má mãe, que com mãe nenhuma.

Uma mãe que não se ama ou até se detesta ainda é um tabu e a ideia, em si mesma, quase intolerável, especialmente em alturas como esta que atravessamos, em que a imagem da mãe é um ícone sagrado e uma imagem intocável. Mas é esta mesma imagem de uma Mãe que inspira crentes em todo o mundo, e inspirou artistas em todos os séculos (cujo altíssimo e derradeiro amor foi materializado na Pietà de Miguel Ângelo), que também nos transporta para outras realidades. E é através de exemplos amorosos que chegamos a lugares onde não existe amor nenhum e as mães maltratam, abusam e negligenciam.

O tema dói sempre, mas mais ainda no Natal porque reabre feridas, deixa as fracturas mais expostas, e vêm-se melhor as cicatrizes e as marcas que ficam gravadas para sempre. Custa falar das más mães, mas é um tema urgente. Por todas as razões e também porque os tribunais de família estão cheios de processos em que as vítimas são as filhas e filhos de mães que não podemos obrigar ninguém a amar.

Conheço casos extremos em que as mães maltrataram e os filhos lhes foram retirados, mas passado tempo alguns destes mesmos filhos foram devolvidos à família biológica. E as mães reincidiram. E em três casos que me são próximos, (por lidar de perto com realidades de grande vulnerabilidade em bairros muito carenciados, mas também em situações de grande fragilidade entre famílias sem qualquer tipo de dificuldade material), estas crianças voltaram a ser maltratadas ao ponto de ficarem com sequelas para o resto da vida. Uma ficou cega, outra tetraplégica e outra ainda com queimaduras graves em mais de metade do corpo. As mães agrediram, violentaram e sacudiram os seus bebés até não poderem mais. Os filhos voltaram então a ser retirados, desta vez sem retorno. Felizmente estes três de quem falo foram adoptados por outras mães e outros pais que cuidam deles com amor. Dentro do azar tiveram sorte, digamos assim. Mas há outros que continuam e continuarão frágeis e sem colo. E também há, para além destes casos mais extremos, outros exemplos de mães que é difícil amar.

Poucos são os que se atrevem a dizer “eu não gosto da minha mãe” porque são palavras duras que devassam sentimentos íntimos e extraordinariamente dolorosos. E, no entanto, muitos sofrem diariamente a erosão de serem filhos de mães difíceis, egoístas, narcísicas, indiferentes, castigadoras, patologicamente instáveis, adictas ou simplesmente incapazes de amar, encorajar, acolher, valorizar e ajudar os seus filhos a crescer. Em vez de se sentirem cada vez mais fortes, os filhos destas mães sentem-se cada dia mais sozinhos e abandonados. Mesmo quando vivem na mesma casa e partilham a mesma mesa. E até mesmo quando as mães lhes compram presentes, os vestem impecavelmente bem e dizem aos outros que adoram os seus filhos. Na verdade quem é muito amado, sente-se muito amado. Não precisa de anúncios, letreiros ou editais. Muitos filhos destas mães crescem à beira de um precipício, constantemente inclinados sobre o abismo, mas mesmo assim preferem manter as aparências e cultivar uma certa indiferença, sem dar nas vistas. A ambivalência de sentimentos relativamente a quem nos deu a vida (e segundo o Mito de Medeia, também nos pode tirá-la) faz com que se perpetuem relações difíceis, muitas vezes marcadas pela hostilidade. Na nossa sociedade amar uma mãe nunca é uma pergunta, é sempre um imperativo moral e, por isso, estes filhos não se atrevem a falar sobre a qualidade da sua relação. Muito poucos chegam a assumir a tremenda dificuldade com que vivem. Disfarçam. E sofrem.

Para agravar as penas interiores de quem atravessa uma vida sem a certeza moral do amor da sua mãe, sabemos que na infância e até à adolescência todas as crianças preferem ficar com uma má mãe, do que com mãe nenhuma. Resistem como podem a serem retiradas às famílias para serem institucionalizadas. Só quem já assistiu ou participou sucessivas vezes nestas ‘retiradas’ sabe a dificuldade que é separar um filho de uma mãe. Por mais maltratado ou negligenciado que seja. Por tudo isto e porque as más mães continuam a ser um tema tabu, importa perceber que é em alturas como o Natal, e outras datas de família, que estas verdades custam mais. Talvez ajude pensar que em certos casos melhor é mesmo impossível. Liberta os filhos do pesado fardo da culpabilidade (têm sempre sentimentos de culpa, mesmo sabendo que a culpa não é deles) e permite-lhes perceber que por mais dura que seja esta realidade, há filhos que têm o direito de não amar as suas mães.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

IRS

Fica à sua consignação! /premium

Laurinda Alves
257

Já que não podemos controlar onde o Estado aplica o dinheiro dos nossos impostos, ao menos podemos beneficiar uma causa ou uma instituição com uma ínfima parte deste nosso dinheiro.

Deficientes

O Sol, quando nasce, é para todos! /premium

Laurinda Alves
526

Ir à praia e apanhar sol é, para pessoas portadoras de deficiência e/ou com mobilidade reduzida, fonte de bem-estar e saúde. É mesmo uma necessidade básica de saúde dos cidadãos, mediterrânicos ou não

Três Parágrafos

“Surf attitude” para todos

Laurinda Alves
2.614

7 passos que podem ser ao mesmo tempo 7 lições tiradas de uma disciplina física exigente e exaltante que também é uma disciplina de vida. 7 sublinhados que são como um fato que nos serve a todos.

Três Parágrafos

Chefes altamente tóxicos

Laurinda Alves
24.570

Há demasiados a sofrer por terem de trabalhar com pessoas difíceis. E que não podem despedir-se porque sabem que deitam tudo a perder, que há contas para pagar, bocas para alimentar e filhos a estudar

Suicídio

Sozinhos em casa

Laurinda Alves
1.092

Num país com 56 mil organizações sociais e mais umas 20 mil iniciativas público-privadas de resposta a problemas sociais, contam-se pelos dedos das mãos o número de projectos de prevenção ao suicídio.

Família

Preciso de saber de ti

Laurinda Alves
4.119

A abertura para falar e pôr em comum aquilo que vai na alma não nasce de uma imposição nem se estabelece por decreto. As ‘conversinhas impecáveis’, a pedido dos pais, nunca funcionaram com os filhos.

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela
1.537

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Global Shapers

"É preciso dar tempo ao tempo" /premium

Diogo Almeida Alves

É necessário encontrar o equilíbrio entre o que fazemos e o que queremos fazer, respeitarmos o tempo e o timing dos vários projetos pessoais e profissionais e sentir o bem-estar emocional e humano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)