China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Sei que andamos ocupadíssimos com os laços familiares da esquerda e com os convites da direita para conselhos de administração, mas, não negando a importância nacional que tais temáticas carregam, talvez consigamos arranjar um tempinho para algo igualmente significativo. No curto espaço de nove dias, o governo português e a Comissão Europeia divergiram publicamente, não sobre metas orçamentais ou intervenções na banca, mas sobre um assunto em particular: a China.

Se a 3 de março de 2019, há cerca de três semanas, o primeiro-ministro português criticou Bruxelas por “protecionismo” em relação ao investimento chinês, a Comissão Europeia não tardou em expor Portugal como desalinhado, considerando o regime de Xi Jinping um “rival sistémico” que promove “modelos alternativos” – isto é, anti-democráticos – de governação. Por cá, no entanto, nada se ouviu. A União Europeia assumiu pela primeira vez que o expansionismo da República Popular da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi e toda a sua digressão de acordos, não fazem perguntas?

Façamo-las.

  1. O governo português acompanha a Comissão Europeia no seu pedido de “maior reciprocidade” e “abertura” da China às regras da ordem internacional? E fê-lo saber na sua receção a Xi Jinping?
  1. O governo português subscreve a opinião da Comissão Europeia acerca da “indisponibilidade da China para aceitar regras de responsabilização e escrutínio”, sendo que tal “enfraquece a sustentabilidade da ordem internacional”? E fê-lo saber na sua receção a Xi Jinping?
  1. O governo português partilha da preocupação da Comissão Europeia acerca “da deterioração dos direitos humanos na China, nomeadamente em Xinjiang”, com minorias ativamente perseguidas? E fê-lo saber na sua receção a Xi Jinping?
  1. O governo português reconhece, como a Comissão Europeia, que a “China construir plataformas movidas a carvão põe em causa os objetivos do Acordo de Paris com os quais se comprometeu”? E fê-lo saber na sua receção a Xi Jinping?
  1. O governo português reconhece, como a Comissão Europeia, que a “crescente capacidade militar da China e a sua ambição de ter as forças armadas mais modernas do globo até 2050 representam um risco de segurança para a Europa, inclusivamente no curto-prazo”? E fê-lo saber na sua receção a Xi Jinping?
  1. O governo português reconhece, como a Comissão Europeia, que a “China se tornou um concorrente estratégico da Europa, falhando em reciprocar o acesso aos seus mercados”? E fê-lo saber quando assinou 17 acordos bilaterais com a China? E quando assegurou a cooperação de Portugal com a iniciativa Belt and Road?
  1. O governo português reconhece, como a Comissão Europeia, que “o investimento estrangeiro em setores estratégicos pode criar riscos para a segurança na Europa”? E que isso “é particularmente relevante em infraestruturas críticas como as redes 5G”? Se sim, como justifica o apoio governamental a um acordo entre a Huawei e a Altice para “acelerar o desenvolvimento e capacitação da rede 5G em Portugal”? Se não, com que argumentos irá explicar-se no Conselho Europeu?

Face às mudanças em curso, de que a reação da Comissão Europeia é fruto, o debate sobre o posicionamento português tornou-se obrigatório. Mais do que isso, é imperativo criar condições para uma realinhamento estratégico do Ocidente, impulsionando três valências: um multilateralismo habilitado a conter os impulsos menos ponderados das suas maiores potências, um multilateralismo empenhado em defender globalmente os direitos humanos (designadamente, as condições laborais na Ásia e os crimes contra a humanidade na Venezuela) e um multilateralismo capaz de recuperar credibilidade junto de si próprio.

Portugal, com a sua tradição diplomática e a sua vertente atlântica, poderia ter um papel a desempenhar nesse realinhamento.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
298

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)