Economia

Angola substitui Brasil como destino prioritário das empresas portuguesas

137

Angola substituiu o Brasil como prioridade na rota de internacionalização das empresas nacionais. Estudo da Aese mostra que investimento angolano travou e que a China é o novo protagonista.

José Eduardo dos Santos: Angola é o mercado prioritário para 70% das empresas portuguesas

CORNELIA SMET/COMISS

Angola é o mercado prioritário para 70% das empresas portuguesas, substituindo o Brasil como o país preferido para a internacionalização em 2013. Esta é uma das conclusões do estudo apresentado nesta sexta-feira na assembleia geral da Aese Business School que decorre no Estoril.

No estudo anterior, realizado em 2011, o Brasil liderava, mas passou a ser o segundo mercado prioritário, referido por 53% das empresas inquiridas. A África subsariana não lusófona é indicado como um mercado altamente interessante para 65% das empresas, sendo ainda de registar uma queda da prioridade dada a Moçambique. O interesse pela América do Sul e central cresceu para 54%, com a região a ultrapassar a Europa central e do Norte nas prioridades das empresas portuguesas.

A Espanha mantém-se como um destino importante para 51% das empresas. Na Ásia é sobretudo a China que entra na rota com o interesse dos gestores portugueses a crescer nos últimos três anos. A relativa perda de prioridade do Brasil não é um exclusivo das empresas nacionais, tendo sido também verificados inquéritos a gestores internacionais.

O que procuram as empresas portuguesas quando escolhem um destino? Para a maioria, 67%, o que conta mais é a situação macroeconomica do mercado, seguida da dimensão e da existência de uma oportunidade. Competitividade e estabilidade são menos valorizadas.

A estratégia preferida de abordagem a um novo mercado é a exportação, mas nos países africanos têm importância as parcerias com empresas locais. O estudo nota a pouca relevância dada a parcerias entre empresas portuguesas na estratégia de internacionalização.

E quais são as maiores dificuldades? Na Europa e América do Norte, os empresários referem à concorrência em primeiro lugar, seguida da relativamente fraca perceção da marca Portugal, fator que é no entanto uma mais valia em África. A escala dos investimentos e a dimensão da operação e custos, são também obstáculos.

No estudo coordenado pelo professor Adrián Caldart, o investimento estrangeiro surge ao lado da internacionalização com um dos fatores fundamentais para o crescimento.

Os dados do Banco de Portugal mostram que entre 2007 e 2011 o investimento direto estrangeiro em Portugal recuou para níveis líquidos de 2005. Depois de uma ligeira recuperação em 2012, o investimento voltou a cair em 2013.

Apesar do apelo constante ao investimento nos bens transacionáveis, os estrangeiros tal como os portugueses preferem apostar no setor dos serviços. Telecomunicações, imobiliário, energia e serviços financeiros são áreas que têm sido apostas fortes do capital estrangeiro, com o destaque para o crescimento recente do investimento na banca e seguros, embora parte seja explicado pela transferência de grandes empresas nacionais para países Holanda e Luxemburgo por razões fiscais.

Investimento angolano atinge pico em 2012

Quem são os maiores investidores em Portugal? O estudo mostra que os maiores fluxos de investimento vêm em geral de países que são também a prioridade na internacionalização das empresas nacionais. Brasil, Espanha, Angola e China surgem sem surpresa com os maiores investidores em Portugal. Os brasileiros perderam algum protagonismo em 2013 para a China e Angola, mas recupera força em 2014. Apesar da União Europeia continuar a dominar os fluxos de investimento internacionais para Portugal, a Alemanha foi um dos países que desinvestiu neste período.

Já o investimento angolano registou um fortíssimo crescimento em dez anos, multiplicando o seu valor por 35, mas o pico terá sido atingido em 2012, tendo desde então travado. Angola entra pela energia, banca e telecomunicações e as suas operações estendem-se a vários  setores estratégicos da economia como a comunicação social.

A China entrou no top dez dos maiores investidores em Portugal com grandes operações na energia e setor financeiro. Mas o investimento chinês continua a crescer para outras áreas como a saúde e o imobiliário onde são os principais clientes dos vistos dourados.

Mais do que atraídos pelo mercado doméstico, o que os chineses procuram em Portugal é uma porta de entrada para os mercados africanos de língua portuguesa e o Brasil.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site