Tesouro

Portugal vai ao mercado na próxima semana para emitir até 1.500 milhões de euros

Portugal pretende arrecadar, na próxima semana, até 1.500 milhões de euros através de dois leilões de Bilhetes de Tesouro, com maturidades de seis meses e um ano, anunciou o IGCP.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal pretende arrecadar, na próxima semana, até 1.500 milhões de euros através de dois leilões de Bilhetes de Tesouro, com maturidades de seis meses e um ano, anunciou o IGCP.

Segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), os dois leilões decorrem na quarta-feira, dia de votação final global do Orçamento do Estado para 2016 (OE 2016).

Estes dois leilões das linhas de Bilhetes de Tesouro vencem a 23 de setembro de 2016 e a 17 de março de 2017, e têm um montante indicativo global entre 1.250 milhões de euros e 1.500 milhões de euros.

No último duplo leilão de Bilhetes de Tesouro comparável, que ocorreu em janeiro, o IGCP conseguiu superar o montante indicativo global (1.500 milhões) e taxas negativas: colocou 550 milhões de euros a seis meses a uma taxa média de -0,013% e 1.250 milhões de euros a um ano a uma taxa média de -0,001%.

Este será o último leilão de BT previsto para o primeiro trimestre, durante o qual a agência liderada por Cristina Casalinho prevê emitir entre 3.000 milhões e 3.750 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro, através de seis leilões de dívida de curto prazo, entre os seis e os 12 meses.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

O futuro do trabalho

Inês Santos Silva

Já há bots a resolver multas de trânsito, algoritmos a escolher tratamentos para cancro ou a selecionar profissionais. Próximas décadas serão desafiantes, mas há dois vetores a precisar de trabalho.

Serviço Nacional de Saúde

Enfermeiros e médicos

Fernando Leal da Costa

No SNS não há investimento público, os equipamentos apodrecem, o ritmo de crescimento da rede de cuidados continuados abrandou, as dívidas sobem mais depressa, é difícil introduzir novos medicamentos.

Eleições na Alemanha

Tenham medo, tenham muito medo

Paulo de Almeida Sande

Muitos eleitores do AfD votaram por medo: da invasão dos refugiados; do crescimento das comunidades islâmicas; da diluição da identidade alemã; ou, simplesmente, medo de existir.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site