Logo Observador
José Sócrates

Sócrates diz que houve “cobardia política” na resolução do BES

O antigo primeiro-ministro José Sócrates disse este sábado em Coimbra que o anterior Governo, ao entregar a resolução do BES ao Banco de Portugal, mostrou "cobardia política"

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O antigo primeiro-ministro José Sócrates disse este sábado em Coimbra que o anterior Governo, ao entregar a resolução do BES ao Banco de Portugal, mostrou “cobardia política”.

A decisão do anterior Governo liderado por Passos Coelho em não ter discutido a resolução do BES no Conselho de Ministros e remeter o assunto para o Banco de Portugal mostra “um misto não apenas de ideológico, mas também alguma coisa que tem a ver com cobardia política”, afirmou José Sócrates.

O antigo primeiro-ministro falava do tema após ter sido questionado por um dos membros da plateia que assistia ao painel “Haverá uma política apartidária?”, integrado no primeiro Encontro Nacional de Estudantes de Sociologia, que decorre na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

“Houve um banco que faliu na minha gestão, mas foi decidido por políticos. Peguei numa ‘leizinha’ e levei à Assembleia da República”, propondo a nacionalização do BPN, explicou.

José Sócrates recordou que foi “muito criticado” por nacionalizar o BPN, mas que, enquanto “outros fingiram que não mexeram”, o seu Governo não entregou ao Banco de Portugal a resolução.

O também antigo líder socialista sublinhou que a resolução de um banco é “das decisões mais graves, mais importantes”.

“Era difícil, mas era preciso decidir [por] quem nós escolhemos, o Governo não o Banco de Portugal”, concluiu.

Numa entrevista ao jornal Público, publicada na segunda-feira, Assunção Cristas, líder do CDS-PP e ex-ministra da Agricultura do Governo PSD/CDS-PP admitiu que o “assunto BES nunca foi discutido em profundidade em Conselho de Ministros”.

“Nunca os temas da banca foram discutidos em profundidade em Conselho de Ministros”, referiu Cristas, que recordou também que estava de férias quando foi aprovado o decreto-lei da resolução do BES.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Londres

O 22 de Março

Gonçalo Dorotea Cevada

Ontem estava em Londres e o pânico que senti não foi diferente do medo que tive a 22 de Março de 2016 quando estava em Bruxelas. Tenho medo de morrer mas não posso nem quero deixar de viver.