Logo Observador
Caça

Movimento contra a caça à raposa leva petição ao parlamento

2.385

Já conta com 9.800 assinaturas. A petição vai chegar na próxima quinta-feira à Assembleia da República. O movimento contra a caça à raposa teve início em janeiro com cinco membros.

Segundo o movimento, esta prática contou com a morte de mais de 142 mil raposas entre 2005 a 2015

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A petição que defende a abolição da caça à raposa conta já com 9.800 assinaturas, segundo o movimento de cidadãos que defende o fim desta prática e que vai entregar o documento na quinta-feira na Assembleia da República.

Este movimento teve início em janeiro com cinco membros que se conheceram através da internet e partilhavam as mesmas preocupações ambientais e indignação pelas batidas organizadas para a caça da raposa por todos o país.

O movimento pela abolição defende a falta de existência de bases científicas que suportem e demonstrem um eventual excesso populacional desta espécie, não existindo estudos gerais com censos de raposas em Portugal, e afirmam ser uma “prática cruel e bárbara”, contrária aos esforços de educação ambiental atuais.

Segundo o movimento, esta prática contou com a morte de mais de 142 mil raposas entre 2005 a 2015 e espera ver a petição levada a plenário na Assembleia da República.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

Assim, nada vai mudar

Alexandre Homem Cristo

A quem se entrega um dossier que se pretende inconclusivo? Ao parlamento, claro – um cemitério de reformas políticas e um palco de desentendimentos que nunca desilude nos espectáculos mediáticos.

Ocidente

A tradição ocidental da liberdade sob a lei

João Carlos Espada

A velha ideia de Universidade é uma das ideias centrais da Tradição Ocidental da Liberdade sob a Lei. Ambas serão celebradas entre hoje e quarta feira no Estoril Political Forum.

Fogo de Pedrógão Grande

Tudo é nada. E o nada é medo

Helena Matos

O imprevisível tornou-se no terror do Governo. Porque é o imprevisível que expõe o logro desse Estado cheio de “meninas César" que gasta metade da riqueza nacional e desaparece quando gritamos Socorro