Logo Observador
Nostalgia

Marisco, vinho tinto e fruta exótica. A comida de luxo a bordo dos aviões dos anos 70

327

Comia-se camarão e lavagante, escolhia-se vinho tinto e havia pequenos-almoços servidos à cama. Não eram apenas aviões: eram restaurantes de luxo. E deixavam qualquer passageiro de água na boca.

SAS Museet

Cento e cinquenta aviões, cento e cinquenta destinos. A Scandinavian Airlines (SAS) é a grande gestora do espaço aéreo sueco, dinamarquês e norueguês desde meados dos anos quarenta, quando as companhias aéreas desses três países decidiram unir-se para gerirem juntas as entradas e saídas do espaço aéreo escandinavo. O crescimento da SAS tornou-se exponencial desde os anos cinquenta: no início da década começou uma expansão que havia de culminar, em 1997, na criação da maior aliança de empresas de aviação comercial — a Star Alliance. E até veio a ser a empresa-mãe de companhias aéreas como a Air Greenland, a Spanair ou a Thai Airways International.

Ao longo dos seus mais de setenta anos, a SAS viu a sua marca em gigantes dos céus, como o Boeing 747 (batizado pela própria empresa como Huge Viking), o Douglas DC-6 ou o jato DC-8-33. Mas o luxo com que a SAS atravessava os céus não era apenas exterior: lá dentro, fosse na primeira classe ou na económica, a SAS era conhecida pelo requinte da comida que servia. Ao contrário das queixas que muitos passageiros fazem hoje em dia, por não sentirem qualquer sabor na “comida de avião”, a SAS servia o melhor marisco, fruta exótica e os vinhos de maior qualidade. E até tinha pequenos-almoços nos beliches em viagens de longo curso.

Espreite os pratos servidos durante os anos cinquenta, sessenta e setenta nos voos da SAS nas 40 fotografias da fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
128

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.