Logo Observador
Festivais de Música

Para lá de Foo Fighters, Depeche Mode e The xx: no NOS Alive vai ser preciso escolher

Esta quinta feira começa mais uma edição do festival, com mais de cem concertos: regressos, algumas estreias e uma grande presença de artistas portugueses.

Dave Gahan num concerto dos Depeche Mode em Maio deste ano, em Estocolmo

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

As 55 mil pessoas que vão passar na quinta-feira o pórtico do Passeio Marítimo de Algés irão encontrar um recinto sem grandes alterações no figurino, com sete palcos para acolher música e comédia.

A organização aconselha os espectadores a traçarem um rumo e a fazerem escolhas no festival, porque haverá sobreposição de artistas e concertos em simultâneo.

Os cabeças-de-cartaz já estiveram todos em edições anteriores deste festival, mas regressam em momento de novas digressões internacionais e impulsionados por novos álbuns.

Os britânicos Depeche Mode — que ficam ainda com os créditos da banda mais antiga desta edição — estiveram em Algés em 2013 e pisam agora o mesmo palco no sábado, para apresentar o álbum Spirit.

O trio britânico The xx tem andado na estrada com o álbum “I see you” e passa por Algés na quinta-feira, sete anos depois da última atuação no festival.

Os norte-americanos Foo Fighters têm muita matéria-prima antiga para revisitar em palco, mas está anunciado para setembro um novo registo, “Concrete and Gold”, que poderá entrar no alinhamento do concerto de sexta-feira no Alive. É um regresso à casa onde estiveram em 2011.

NOS Alive 2017 está esgotado

A par destas três atuações, há uma mão cheia de revisitações de artistas junto do público português.

Na quinta-feira dão-se os casos dos franceses Phoenix, Alt-J, Royal Blood ou Ryan Adams, na sexta-feira, dos The Kills, The Cult, Savages, Warpaint e Local Natives e, no sábado, dos Kodaline, Imagine Dragons, Peaches, Spoon e Fleet Foxes.

Ainda assim, é possível descobrir alguma estreias, como a do norte-americano Benjamin Booker, autor de dois álbuns retro-blues rock, e dos australianos The Avalanches, a cumprirem vinte anos com apenas com dois registos. Ambos atuam no sábado.

Este ano regista-se ainda uma relevante investida de música portuguesa, transversal a todos os palcos.

No palco maior, ao final da tarde, estarão os You Can’t win Charlie Brown (quinta-feira), Tiago Bettencourt (sexta-feira) e Black Mamba (sábado).

Destaque ainda para o palco Clubbing, que acolherá, entre outros, Batida, o rapper Karlon, as Pega Monstro, os Bispo e Modernos — ligados aos Capitão Fausto –, Marvel Lima, Mike El Nite e a Discotexas Band.

O Coreto terá este ano curadoria da Arruada, propondo Lince, Golden Slumbers, Duquesa, o guitarrista Filho da Mãe, Riot ou Filipe Sambado.

No palco Fado Café é esperada a atuação, entre outros, da fadista Carminho, do guitarrista Mário Pacheco e, mais fora do universo do fado, do músico Miguel Araújo.

Aldo Lima, Salvador Matinha e Nilton são três nomes do palco Comédia.

Toda a programação do festival, que está esgotado há três meses, pode ser consultada em www.nosalive.com.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia.