Logo Observador
Incêndios

Exército reforça apoio à vigilância e ao rescaldo dos incêndios com 250 militares

Mais de 250 militares foram destacados esta segunda-feira pelo Exército para reforçar o apoio à Proteção Civil nas ações de vigilância e rescaldo nos incêndios de Mangualde, Alijó e Mirandela.

Na quinta-feira passada foram mobilizados 200 militares para patrulhar zonas de maior índice de risco de incêndios

PEDRO COSTA/LUSA

O Exército reforçou esta segunda-feira com mais 250 militares o apoio à Proteção Civil em ações de vigilância e rescaldo nos incêndios nas regiões de Mangualde, Alijó e Mirandela, anunciou o Estado-Maior das Forças Armadas (EMGFA) esta segunda-feira.

Em comunicado, o EMGFA referiu que foram mobilizados “dez pelotões do Exército, com cerca de 250 militares e dezenas de viaturas, e quatro máquinas de rasto”, no apoio a “ações de vigilância e rescaldo nos incêndios que têm fustigado o continente nas últimas horas”. Cinco pelotões e quatro máquinas de rasto foram enviados para a região de Alijó, três para a região de Mangualde e duas para Mirandela, acrescentou.

Na quinta-feira passada tinham sido mobilizados 200 militares para ações de patrulhamento e vigilância florestal nas zonas de maior índice de risco de incêndios, em dez distritos do país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.

Homossexualidade

Hereges e beatas

Luis Carvalho Rodrigues

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

Sociedade

Esquerda e instrumentalização da homossexualidade

João Marques de Almeida

Os liberais devem defender os direitos dos homossexuais e lutar, contra os ataques das esquerdas radicais, por uma sociedade assente na família tradicional. A maioria dos portugueses terá esta posição