Universidades

Universidade da Beira Interior volta a premiar integração responsável dos caloiros

A Universidade da Beira Interior voltará a premiar os núcleos de estudantes que promovam as melhores ações de integração responsável dos caloiros.

ANTÓNIO JOSÉ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Universidade da Beira Interior (UBI) anunciou que voltará a premiar os núcleos de estudantes que promovam as melhores ações de integração responsável dos caloiros com base no convívio, diversão, interconhecimento e cooperação com a sociedade.

Em nota de imprensa e sempre sem referir a palavra “praxe”, que não é permitida dentro das instalações da instituição, a UBI explica que a iniciativa decorre pelo segundo ano consecutivo e que tem como base um concurso em que são atribuídos três prémios monetários.

O núcleo vencedor ganha 750 euros, o segundo classificado 500 euros e o terceiro 250 euros.

O “Integro” desafia os núcleos dos cursos de licenciatura e mestrado integrado a apresentarem propostas de atividades que cumpram três objetivos: promoção de uma vivência plena do ensino superior enquanto espaço inclusivo, de liberdade, conhecimento e relacionamento saudável com os outros; dar a conhecer a universidade e a cidade aos novos alunos através dos núcleos; e o desenvolvimento da criatividade e sensibilização dos estudantes para o papel da solidariedade, promovendo a integração social, aponta a nota desta instituição de ensino superior sediada na Covilhã, distrito de Castelo Branco.

Segundo a nota, o Integro será organizado pela reitoria em colaboração com a associação académica.

As candidaturas devem ser remetidas até dia 22 e as ações a desenvolver serão avaliadas pelo envolvimento do número de novos alunos (um mínimo de 50 por cento de cada curso), pela relevância, originalidade, aplicação da ideia, responsabilidade social e solidariedade e, ainda, pelo nível de envolvimento dos proponentes na concretização do projeto.

A classificação final da atividade pelo júri será feita através da análise de um vídeo, com o máximo de 180 segundos, que os participantes deverão disponibilizar através do Youtube até dia 11 de outubro e no qual se apresente uma síntese do desenvolvimento do respetivo projeto e os trabalhos levados a efeito no decurso do mesmo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidades

Fingir que não aconteceu

Alexandre Homem Cristo
1.380

No Reino Unido, houve fugas em exames. Mas assegurou-se a justiça na avaliação, puniu-se quem violou o sigilo e iniciou-se a revisão das regras. Será demasiado ambicionar algo semelhante em Portugal?

Universidades

A ideia de Universidade revisitada

João Carlos Espada
265

As universidades foram fundadas na Europa cristã medieval com base na missão de procurar a Verdade, o Bem e o Belo, através da controvérsia livre entre propostas rivais. Seria bom revisitar essa ideia

Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Banca

O BES e o novo modelo de supervisão

Helena Garrido

Os casos BES e Banif não teriam acontecido se já tivéssemos o novo modelo de supervisão bancária em discussão pública? As arquitecturas de governação não mudam as pessoas nem alteram os incentivos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site