Vinho

Exportações de vinhos do Alentejo sobem 22% em valor e 11% em quantidade até setembro

328

A exportação de vinho alentejano aumentou 22% em valor e 11% em quantidade. O preço médio por litro nos mercados externos cresceu quase 10%.

O presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana garante que o público estrangeiro está disposto a pagar cada vez mais por vinho alentejano

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

As exportações de vinhos do Alentejo aumentaram 21,8% em valor e 11,2% em quantidade nos primeiros nove meses deste ano, em comparação com igual período de 2016, revelou esta segunda-feira a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA).

Em termos de valor, segundo a CVRA, o maior aumento percentual aconteceu no 1.º trimestre, com mais 30,5%, passando para 30% no 2.º trimestre, e para 7,4% no terceiro trimestre, face aos mesmos períodos do ano transato.

Já no que respeita ao volume (ou quantidade), o aumento global de 11,8%, nos primeiros nove meses de 2017, foi alcançado graças às subidas de 19,9% e de 20,7%, nos 1.º e 2.º trimestres, respetivamente, e apesar de um decréscimo de 4,9% no 3.º trimestre.

O preço médio por litro dos vinhos do Alentejo nos mercados externos, realçou também a CVRA, cresceu quase 10%, com os importadores internacionais a pagarem, “em média, acima de três euros por garrafa de DOC Alentejano e 2,14 euros pelo Regional Alentejano”.

“Os crescimentos alcançados até setembro demonstram que a qualidade dos vinhos do Alentejo é reconhecida nos mercados internacionais, com importadores e consumidores dispostos a pagar mais por cada garrafa”, argumentou o presidente da CVRA, Francisco Mateus.

O mesmo responsável acrescentou que “os 10 principais mercados estão todos a subir no preço médio”.

Perante estes dados, 2017 pode vir a “ser o melhor ano na exportação” para os vinhos da região alentejana, frisou a CVRA.

“Com este crescimento, o ano de 2017 está cada vez mais perto de ser o melhor ano na exportação”, até porque “o valor atingido até setembro corresponde a 80% do total do ano passado”, indicou Francisco Mateus.

Brasil, Angola, Estados Unidos da América, Suíça e França constituem o ‘top 5’ do “ranking” dos países importadores dos vinhos alentejanos, representando 57% do valor e 55% da quantidade vendida para os mercados externos.

“Os mercados fora da Europa comunitária são os principais compradores e também aqueles que melhor pagam” por cada garrafa de vinho exportada pelas adegas alentejanas, destacou a comissão vitivinícola.

No global, os vinhos DOC Alentejo e Regional Alentejano chegam a 112 mercados internacionais, tendo a quantidade exportada duplicado nos últimos 10 anos.

Criada em 1989, a CVRA é um organismo de direito privado e utilidade pública que certifica, controla e protege os vinhos DOC Alentejo e os vinhos Regional Alentejano.

A comissão é também responsável pela promoção dos vinhos do Alentejo, no mercado nacional e em mercados-alvo internacionais.

Com oito sub-regiões vitivinícolas (Portalegre, Borba, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vidigueira, Moura, Évora e Granja/Amareleja), o Alentejo possui cerca de 22 mil hectares de vinha e um total de 263 produtores e 97 comerciantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Vinho

O elixir da eterna juventude

José Luís Reis
517

Somos do “velho mundo”, mas os números mostram que a velhice da experiência está ao serviço da qualidade dos nossos vinhos, pois somos um dos países com melhor performance nas últimas duas décadas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site