Pedro Santana Lopes

Santana apresenta comissão de honra: ex-ministros, deputados e atores

1.024

Na apresentação das bases do programa, Santana Lopes apresentou comissão nacional da candidatura. Há ex-ministros, deputados, médicos e atores. Tudo "pessoas do presente e futuro", diz Santana.

Santana Lopes apresenta este domingo as bases do seu programa, assim como os nomes da comissão nacional da sua candidatura

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Pedro Santana Lopes apresentou este domingo a lista completa da Comissão Nacional da sua candidatura à liderança do PSD. Entre os mais de 200 nomes, há ex-ministros, deputados, notáveis do partido, uma ex-dirigente comunista e até atores. Hugo Soares, líder parlamentar do PSD que ontem oficializou o seu apoio a Santana Lopes, também faz parte da lista que é encabeçada pelo histórico social-democrata e ex-ministro Rui Machete.

Tudo pessoas “do presente e do futuro”, segundo disse Santana Lopes, evitando a palavra passado em toda a sua intervenção — que acontece precisamente no dia em que Rui Rio dá uma entrevista ao Diário de Notícias e TSF a afirmar que Santana está a fazer as “mesmas trapalhadas de 2004”.

Álvaro Barreto, Braga de Macedo, António Martins da Cruz, Rui Gomes da Silva, Fernando Negrão, Barreto Xavier, José Cesário ou Teresa Morais são alguns dos ex-governantes que integram a Comissão Nacional da candidatura de Santana Lopes, um órgão de base mais alargada de onde sairá depois uma comissão executiva mais restrita.

“A nossa preocupação não foi criar uma comissão de pessoas com muito tempo de governo no passado. Foi reunir pessoas que, algumas delas tiveram responsabilidades antes, mas vão ter muitas responsabilidades no futuro”, disse Santana Lopes na sua intervenção inicial, antes de um painel de oradores apresentar as linhas orientadoras da proposta de programa de Santana para o PSD.

Na lista, que foi entregue aos jornalistas logo no início da sessão, encontram-se muitos deputados e autarcas, incluindo o atual líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, que ontem à noite deu a conhecer, em Braga, a sua preferência pelo ex-primeiro-ministro, e nomes como Duarte Marques, Simão Ribeiro (líder da JSD), Joana Barata Lopes, Sérgio Azevedo, Carlos Abreu Amorim, Carlos Costa Neves, Nuno Serra ou Ribau Esteves, Fernando Seara e Fernando Costa.

Entre nomes próximos da direção de Pedro Passos Coelho, encontram-se o ex-coordenador autárquico Carlos Carreiras, ou o atual líder da distrital do PSD/Lisboa Pedro Pinto. Os antigos assessores de Cavaco Silva Fernando Lima e Ana Zita Gomes são outros dos nomes da Comissão Nacional, assim como os habituées de Santana: Manuel Frexes, Miguel Almeida ou Helena Lopes da Costa.

Além do espectro político há também nomes ligados à sociedade civil, entre gestores, empresários e médicos, como o nutricionista Fernando Póvoas; mas também atores, como Pedro Granger e Rita Salema, e escritores como Maria João Lopo de Carvalho. A fechar a lista lê-se o nome de Zita Seabra, ex-dirigente comunista e ex-deputada do PSD.

A comissão de honra da candidatura de Rui Rio também já foi apresentada, e é encabeçada pelo ex-deputado Paulo Mota Pinto. De acordo com Santana Lopes, a proposta de programa que é hoje apresentada, intitulada “Um Portugal em Ideias”, é apenas “uma proposta da comissão nacional”, não encerrando o programa em si mesmo. A ideia é abrir a proposta a contributos externos, sendo que a 6 de janeiro haverá uma convenção nacional de onde sairá a base para aquilo que será o futuro programa do PSD às eleições legislativas de 2019, caso Santana Lopes seja eleito presidente do partido.

*Artigo corrigido dia 18 de dezembro, com o nome correto da atriz Rita Salema

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Alimentação

A gula do sr. ministro

José Miguel Pinto dos Santos

Se a “alimentação saudável” é objetivo prioritário do Estado, porque é a medida restrita aos hospitais? Porque não proporcionar as suas vantagens também a todo o funcionalismo público e aos deputados?

Debate

Desimportantizar os caraoqueiros

Paulo Tunhas

O pensamento-karaoke funciona como obstáculo a que se procure entender o que se passa à nossa volta. Os caraoqueiros estão-se, de resto, nas tintas. Só querem caraocar mais alto do que os outros.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site