País

Câmara de Tondela quer separadores centrais no IP3

O presidente da Câmara de Tondela defendeu a colocação de separadores centrais e a duplicação de alguns troços do IP3 de forma a evitar acidentes como os ocorridos na quadra natalícia.

NUNO ANDRE FERREIRA/LUSA

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, defendeu esta quarta-feira a colocação de separadores centrais e a duplicação de alguns troços do Itinerário Principal (IP) 3, de forma a evitar acidentes como os ocorridos na quadra natalícia.

Em comunicado, o autarca social-democrata considera estas obras urgentes, depois de, em apenas quatro dias, se terem registado três acidentes graves.

“Se o país não tem os recursos esperados para uma intervenção de outra natureza, é justo e racional que se assuma uma intervenção faseada, de forma que se vão solucionando aquelas que são as áreas de maior constrangimento e maior sinistralidade”, defende.

Na opinião de José António Jesus, é tempo de passar “de intenção a concretização”, reunindo “as diferentes sensibilidades políticas, para que se vá requalificando de forma sequencial, começando pelas zonas mais criticas”.

Segundo o autarca, o troço do IP3 onde se registaram estes acidentes “foi construído no arranque dos anos 1980, como variante do concelho de Tondela à cidade”.

“Serve para grandes viagens de ligação ao país, mas é acima de tudo usado diariamente enquanto corredor de mobilidade dentro do próprio concelho”, acrescenta.

O presidente da Câmara de Tondela frisa que “esta é uma missão prioritária” e questiona: “Se o país pensa na expansão de redes de metro na capital do país, porque não terá de pensar, por um valor muito menor, na transformação deste IP3 numa estrada que traga outra segurança”.

No seu entender, “se não existem fundos comunitários, terá que existir orçamento do país para dar cobertura a este desígnio”.

“Pensar em apoiar esta solução com fundos comunitários é o mesmo que pensar que até 2022 não haverá nenhuma intervenção estrutural no terreno”, considera.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alimentação

A gula do sr. ministro

José Miguel Pinto dos Santos

Se a “alimentação saudável” é objetivo prioritário do Estado, porque é a medida restrita aos hospitais? Porque não proporcionar as suas vantagens também a todo o funcionalismo público e aos deputados?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site