Ranking Escolas 2017

A educação pública escolar não se deve avaliar?  É isso?

Autor
116

Se os resultados humilhassem as escolas «privadas», alguém imagina o ministro a desvalorizar os rankings e a valorizar estas escolas, com a argumentação romântica que usou para as escolas estatuais?

1. O actual ministro da Educação, que chegou a esse cargo sem ter nada que o indicasse como especialmente competente nesta tão delicada matéria, e obviamente o exerce com má avaliação da «opinião pública», achou importante que a opinião pública soubesse que não é “adepto” dos rankings escolares. Aliás na velha tradição dos seus antecessores que só cumpriram a lei da transparência democrática na publicação dos resultados dos exames escolares quando foram obrigados a isso pela autoridade competente.

2. Ora, como é que nós, cidadãos, podemos avaliar estas declarações ministeriais contra os rankings? Como de uma grande autoridade pedagógica, ou em ciências da Educação, claro que não, porque não vêm de pessoa com essa qualificação na matéria. Como de uma autoridade educativa de homem comum, é irrelevante, porque o exercício é feito por milhares de cidadãos que são iguais autoridades pessoais. Como de ministro da Educação que está em causa, na avaliação, pode parecer que não é adepto porque os resultados não são favoráveis ao seu clube (da escola estadual). Se os resultados humilhassem as escolas «privadas», alguém imagina o senhor ministro a vir desvalorizar os rankings e a valorizar estas escolas, com aquela argumentação romântica que utilizou para as escolas estaduais?

3. A avaliação dos resultados dos sistemas escolares públicos é uma prática internacional consagrada e respeitada, quer tecnicamente quer politicamente. É aliás uma coisa indispensável em democracia, porque se trata de políticas públicas. Dizer que não se é adepto disso é caricato e (quando se é governante) democraticamente suspeito.

Evidentemente, ninguém pode excluir a discussão acerca dos melhores e dos piores critérios que estão na base dos rankings. Mas uma coisa é discutir sobre isso, outra coisa é dizer que se não é adepto dos rankings. Aliás, se a questão é de critérios de avaliação, então o que o Ministro da Educação devia fazer e apresentar à opinião pública era o seu ranking, ou o seu contra-ranking. Ninguém tem em Portugal mais e melhores meios para o fazer. Por que espera o ministro? De opiniões pessoais dos governantes, que são manifestamente opiniões políticas e ideológicas, estão os cidadãos fartinhos e dispensam. O Governo, quando foi empossado, jurou cumprir a Constituição; não jurou cumprir a sua agenda ideológica.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Em defesa da liberdade dos estudantes

Mário Pinto
131

Quando obsidiantemente se defende entre nós a chamada «escola pública», contra a chamada «escola privada», o que se pretende é defender o presumido projecto educativo colectivista da escola estadual.

Educação

Há princípios irrenunciáveis

Mário Pinto
552

O Conselho Nacional da Educação já defendeu, no Parecer 1/89, que a gratuitidade tinha de ser aplicada em todas as escolas, públicas e privadas, sob pena de discriminação inconstitucional entre alunos

Ranking Escolas 2017

E tirar a ideologia dos rankings?

Maria João Marques
152

É pena que entre tanto azedume ideológico se perca a real utilidade dos rankings: dar informação às famílias, já que transparência, escrutínio e ajuda à decisão das famílias são obrigações do Estado.

Ranking Escolas 2017

Os rankings das oportunidades perdidas

Alexandre Homem Cristo
254

Com cerca de 15 anos de vida e indicadores cada vez mais fiáveis, está na hora de se dar o passo em frente: ver nos rankings escolares um ponto de partida para discutir políticas públicas de educação.

Educação

A verdade a que temos direito

Gabriel Mithá Ribeiro
204

Os manuais de História recomendados no nosso sistema público de ensino condenam, bem!, o nazismo alemão (1933-1945), mas conseguem encontrar formas para legitimar (mal!) o maoísmo chinês (1949-1976).

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site