Governo

Sim, dá muito jeito ter António Costa no governo

Autor
1.759

A oligarquia portuguesa percebeu que improvisações orçamentais efémeras bastam para ir buscar dinheiro ao BCE, e que enquanto isso durar não precisará de mudar o Estado ou de libertar a economia.

Nunca a oligarquia portuguesa esteve tão satisfeita com um governo como com este governo de António Costa e a sua maioria parlamentar, integrada pelo BE e pelo PCP. Não é difícil perceber porquê.

Imaginem que um governo baixava o défice com medidas extraordinárias.

Imaginem que um governo aumentava as cativações e cortava o investimento do Estado, de modo a manter os maiores salários da função pública e as pensões mais elevadas.

Imaginem que um governo tentava primeiro privatizar a administração da CGD, e depois arranjava investidores estrangeiros caríssimos, ao mesmo tempo que anunciava ir encerrar balcões e despedir trabalhadores.

Imaginem que um governo, para arranjar receita fiscal, dava um perdão às maiores empresas portuguesas, que assim poupavam milhões de euros.

Imaginem que um governo se propunha aumentar o poder dos serviços de informações para recolher dados de comunicações privadas, numa iniciativa outrora chumbada pelo Tribunal Constitucional.

Imaginem que um governo vendia um banco a custo zero e com garantia à Lone Star, entidade há muito classificada pelo BE como “fundo abutre”, consagrando o controle estrangeiro dos quatro maiores bancos privados em Portugal.

E agora, imaginem que esse governo era um governo chefiado por Pedro Passos Coelho.

Estão a ver?

Era a austeridade. Era o neo-liberalismo. Era a crise social. Era o fim de Abril. Era o fascismo. E, claro, eram greves, eram manifestações, eram aulas magnas, eram apelos ao tribunal constitucional, era Vasco Lourenço, era Manuel Alegre, era a revolução.

Mas como esse governo é de António Costa, derrotado nas eleições de Outubro de 2015, mas amparado pelo PCP e pelo BE, eis o país, segundo o presidente da república, embalado pela mais perfeita paz social.

O sucesso de António Costa não tem mistério. Por volta de 2001-2002, a economia deixou de reagir às auto-estradas e ao emprego público, e passou a ser preciso conter despesas e até fazer “reformas”. Ora, a oligarquia portuguesa sempre achou que nada disso era possível sem o Partido Socialista no governo, como durante os programas do FMI de 1978 e de 1983. O raciocínio é simples: na oposição, durante um ajustamento, a direita nunca teria alternativa, por coerência europeísta, senão apoiar; mas o PS, sempre puxado pela sua “ala esquerda”, recusaria quaisquer compromisso e poderia até juntar-se ao PCP e à extrema-esquerda na contestação, causando a “convulsão social” que tanto medo mete à oligarquia. Daí, aliás, o entusiasmo de 2005 com Sócrates. Daí também, entre 2011 e 2015, a obsessão nacional com o “consenso”, isto é, com o regresso do PS ao poder.

Em 2016, os oligarcas tiveram a mais agradável surpresa das suas vidas: não só o PS no governo, mas exercícios orçamentais combinados com a comissão europeia e militarmente votados pelo PCP e pelo BE.

Dirão alguns: mas o país não precisa só de alcançar défices pequenos, como outros governos já alcançaram no passado, ao contrário da mitologia posta a correr. É verdade: um défice baixo pode ser um arranjo momentâneo, obra de engenho ou de sorte. Um bom défice baixo é outra coisa: reflecte um Estado viável e uma economia com elevado potencial de crescimento. O Estado e a economia em Portugal não são assim, e uma maioria que inclua o PCP e o BE nunca deixará que sejam.

Mas que importa? A oligarquia percebeu que, no actual contexto europeu, improvisações orçamentais efémeras bastam para ir buscar dinheiro ao BCE, e que enquanto isso for possível estará poupada à maçada de ter de pensar em mudar o Estado, ou libertar a economia. De facto, as coisas vão correndo da melhor maneira possível. Poderá tudo perder-se um dia, como receia Passos Coelho? Talvez, mas isso depende da Europa — e então logo se verá.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Chapa dada, chapa tirada

Rui Ramos
934

António Costa definiu esta semana a sua política como sendo de “chapa ganha, chapa distribuída”. O que não disse foi que muitas chapas distribuídas não são de facto chapas ganhas, mas chapas falsas. 

Governo

Um governo de mortos-vivos políticos

Rui Ramos
2.619

Ninguém perceberá o actual governo se não perceber o enorme conjunto de fracassos que está por detrás dele. Este é mesmo um caso de “mortos agarrados aos vivos", para usar a expressão de Marx.

Web Summit

Os novos beatos do Web Summit

Rui Ramos
1.178

Duas coisas detestáveis do Web Summit: a importância que a si próprios se dão estes profetas do écran, e o delírio governamental com a ideia de replicar Silicon Valley numa Albânia.

Saúde Pública

Votar o futuro da Saúde da nação

Francisco Goiana da Silva
154

Resta-nos a nós, cidadãos, esperar que quando esta medida de Saúde Pública [taxa do sal] for votada, os deputados não se esqueçam de acautelar a vontade da sociedade. 

Primeiro-Ministro

António Costa: o eterno número dois

João Marques de Almeida
224

Costa está a substituir o líder porque não há outro e porque Sócrates não pode liderar o PS. O PS socrático não tem hoje alternativa. Mas eles sabem que o PM não é o verdadeiro líder do seu partido.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site