Na conferência de imprensa após a conquista da Taça de Portugal, o terceiro troféu da temporada, Jorge Jesus recorreu às suas, já características, analogias para explicar o trabalho e os desafios diários de um treinador de futebol.

“Na minha profissão, a minha especialidade de treinador é uma área que o conhecimento dela envolve, muitas vezes, questões científicas. É verdade que passa por várias áreas, mas temos, hoje em dia, uma profissão onde tu tens de ser criativo”, começou por explicar Jorge Jesus.

E prosseguiu: “Um treinador é como um pintor. (…) Já contei esta história da Paula Rego: estive uma vez numa exposição e ela dizia-me a mim e às outras pessoas que era uma figura que se chamava Maria e que estava a chorar; ‘ah está a chorar?’ não via nada… mas ela sabia que estava a chorar. É como o treinador. Vocês não vêem muita coisa porque isto é criativo. Porque são muitas horas e horas de treino, a repetir a jogada, vai para trás, vai para a frente, passa nas costas. Tudo isto é um trabalho, não é só meter um jogador a jogar — meter o Cardozo ou o Rodrigo — que vai definir se a opção foi boa ou não. É um trabalho muito complicado, de muita paixão e muito conhecimento, que os treinadores têm de fazer durante a semana”, disse.

O desafio agora é encontrar o famoso quadro de Paula Rego. Uma das hipóteses é o “Mary Mary Quite Contrary II”, um quadro de 1989, que mostramos abaixo.

Quadro "Mary Mary Quite Contrary II" de Paula Rego

Mas como os treinadores, ou quase todos, também nós temos um plano B. Trata-se do tríptico “Maria, Maria e Madalena” de 1999, um trabalho que acolhe o olhar feminino com um enquadramento triangular de visões distintas. Contudo, não nos foi possível encontrar uma imagem.