Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O exército tailandês anunciou esta terça-feira a imposição da lei marcial para “preservar a lei e a ordem” no país. Os militares patrulham as ruas da capital Banguecoque e insistem que não se trata de um golpe. Mesmo que ordenando, por exemplo, uma interrupção de transmissão a várias estações de televisão.

O país está sem Governo desde que no final do ano passado intensos protestos se espalharam pelo país. No anúncio, o general Prayuth Chan-ocha pediu aos manifestantes que têm conseguido paralisar o Governo e impedir eleições para “pararem o seu movimento”, escreve o New York Times.

A Tailândia já assistiu a mais de uma dezena de golpes e não foi ainda claro qual a natureza desta medida. Muitos falam de um novo golpe militar. Um político citado pelo New York Times disse que o anúncio de Chan-ocha impunha uma lei marcial “mais suave do que um golpe”. O exército tem agora aquilo que o general Prayuth Chan-ocha designou de “poder superior sobre a autoridade civil” para manter a ordem pública.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR