O Presidente da UEFA, Michel Platini, teve um encontro secreto com Mohamed Bin Hammam, o responsável pelo futebol no Qatar, que subornou as federações de países africanos e caribenhos para que votassem favoravelmente a realização do Mundial 2022 naquele país do Médio Oriente.

O encontro terá ocorrido em 2010, pouco tempo antes da votação final que atribuiu a organização do Campeonato Mundial de Futebol ao Qatar, país no qual Platini admitiu ter votado. O Presidente da UEFA mostrou-se também favorável à mudança da competição para o inverno, de modo a evitar as altas temperaturas registadas no Qatar durante o verão.

De acordo com o Telegraph, o envolvimento de Platini faz com que a França seja o primeiro país europeu a ver-se envolvido no escândalo de corrupção em torno do Mundial 2022 que este fim de semana foi conhecido. Bin Hammam terá pago um total de 3,7 milhões de euros para comprar os votos favoráveis de muitos delegados da FIFA, além de ter oferecido carros e estágios a familiares desses mesmos delegados.

Michel Platini é apontado como um dos possíveis sucessores de Joseph Blatter na presidência da FIFA, cujas eleições acontecerão em 2015. As alegações de corrupção poderão pôr em causa esta aspiração.