Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pedro Passos Coelho acaba de cancelar a visita oficial que tinha marcada para o Brasil, dentro de uma semana, alegando às autoridades brasileiras que tem que lidar com a crise interna, espoletada pelo acórdão do Tribunal Constitucional de sexta-feira, confirmou o Observador.

Uma nota do gabinete de São Bento esclarece que “o primeiro-ministro decidiu, tendo em conta o novo quadro aberto pelo acórdão proferido pelo Tribunal Constitucional e a necessidade de responder às exigências complexas de superação da situação, cancelar a sua programada visita ao Brasil”.

Também Paulo Portas reservou os próximos dias para outras matérias, que não as previstas. Amanhã, Portas deveria estar com os parceiros sociais para lançar a discussão sobre a reforma do Estado. A reunião foi hoje cancelada, diz o Económico.

O primeiro-ministro português estaria no Brasil entre 12 e 16 de junho, passando por São Paulo, Recife e Salvador da Baía, onde ia assistir ao jogo de abertura da seleção nacional no Mundial2014, entre Portugal e Alemanha.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O programa oficial da deslocação começava a 13 de junho, em São Paulo, com encontros com investidores e empresários brasileiros, participação em seminários económicos e um encontro com o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin.

No dia seguinte, o chefe do Governo português visitaria ainda a Casa de Portugal, inaugurava um centro de negócios, encontrava-se com a comunidade portuguesa e viajava para o Recife (visita ao Real Hospital Português e encontros com a comunidade portuguesa local).

Só nesse dia seguiria para Salvador da Baía, onde a 16 de junho ia assistir ao jogo entre a seleção nacional e a Alemanha, regressando a Portugal após a partida.

* Notícia corrigida: a deslocação de Passos Coelho deveria acontecer dentro de uma semana, não de três dias, como o Observador dizia inicialmente.