Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há um antes e um depois. É como tudo. Um jogador está num clube, tem um valor de mercado e aparece alguém interessado em comprá-lo. O potencial vendedor pensa: “Tenho oportunidade de fazer dinheiro.” E se o clube comprador quiser muito o jogador em causa, é provável que essa oportunidade se concretize. Poderá ter sido isto que, em 2013, levou a que os ingleses do Tottenham encaixassem 100 milhões de euros com a venda de Gareth Bale aos espanhóis do Real Madrid. Valor justo? O Observatório do Futebol Europeu (CIES) diz que não – aliás, afirma que os merengues “pagaram claramente a mais para convencerem” o clube londrino “a libertar o jogador”.

A conclusão surge no relatório anual do CIES, divulgado esta quarta-feira, no qual a entidade compara, entre outros pontos, o atual valor de mercado dos jogadores dos cinco principais campeonatos europeus – inglês, espanhol, alemão, italiano e francês – com as verbas que, no início de 2013/14, foram pagas nas suas transferências.

No caso de Bale, o observatório defende que o Real Madrid pagou a mais para o levar de Londres. Porquê? Uma conta de subtrair explica: os 100 milhões de euros pagos pelos espanhóis, menos os 67 milhões que hoje perfazem o valor de mercado do galês, resultam na margem de 37 milhões de euros. O tal excedente que os merengues pagaram. Aos 24 anos, Bale terminou a primeira temporada no Real Madrid com a Liga dos Campeões conquistada, 21 golos marcados e 16 assistências feitas.

Por contraste, surge depois Max Kruse.

O nome é alemão e vem do avançado que esta época marcou 12 golos pelo Borussia Mönchengladbach. O clube contratou-o por 2,5 milhões de euros ao Friburgo – uma “pechincha”, lê-se no relatório – e Kruse vale hoje “oito vezes mais” que esse valor (20,5 milhões). Embora sem explicar que fatores são tidos em conta, o CIES sublinha apenas que o relatório se baseou num “modelo econométrico”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Messi vale mais, mas Ronaldo não desvalorizou

Transferências à parte, o relatório elaborou também um ranking dos 60 jogadores com os maiores valores de mercado. Na liderança ficou Lionel Messi, com 216 milhões de euros. E quem está a persegui-lo logo no segundo posto? Cristiano Ronaldo, claro está.

Embora fosse apenas avaliado em 114 milhões de euros devido “sobretudo à diferença de idades” com o argentino, que é “cerca de 28 meses mais novo”, o português (único da lista), registou algo que Messi, do Barcelona, não conseguiu – valorizar-se. Em comparação com 2012/13, o valor de mercado de Cristiano Ronaldo aumentou em 4 milhões de euros, enquanto o argentino desvalorizou em cerca de 19 milhões.

No terceiro lugar da tabela aparece Luis Suárez, avançado uruguaio do Liverpool, avaliado em 107 milhões de euros, com os restantes lugares do top-10 a serem preenchidos por Eden Hazard (Chelsea, 82 milhões), Neymar (Barcelona, 68 milhões), Paul Pogba (Juventus, 66 milhões), Gareth Bale (Real Madrid, 63 milhões), Mesut Özil (Arsenal, 53 milhões), Edinson Cavani (PSG, 52 milhões) e Mario Götze (Bayern de Munique, 51 milhões).

Documentos