Cerca de trinta sítios e monumentos de todo o mundo candidatam-se ao reconhecimento como Património Mundial, num encontro do comité da Unesco que começou neste domingo em Doha, Qatar, e se prolonga até ao dia 25 de junho.

O comité do Património Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) iniciou a análise de 34 novas candidaturas internacionais, uma delas referente ao Qhapaq Nan, um sistema de trilhos usados pelos Incas com mais de 30 mil quilómetros de extensão e que abrange seis países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru.

São ainda candidatas a Chauvet-Pont-d’Arc Cave, uma gruta na região de Ardèche (França), que apresenta mais de um milhar de pinturas feitas há mais de 30 mil anos, o templo Rani-ki-Vav (Índia), a cidadela de Erbil, no Curdistão iraquiano, assim como a paisagem vinícola de Langhe-Roero e Monferrato, em Piémont (Itália), e as falésias de Stevns (Dinamarca).

O comité da Unesco irá ainda avaliar o património que poderá estar em risco ou ameaçado, como o Palácio de Westminster, em Londres (Reino Unido), e a Grande Barreira de Coral australiana. Na abertura da reunião do comité da Unesco, o país anfitrião, o Qatar, anunciou a doação de 10 milhões de dólares para atribuir às regiões que tenham património ameaçado por conflitos ou catástrofes naturais.