A confiança dos gestores e consumidores registou uma queda na zona euro, em junho, explicada pelas tensões crescentes entre a Rússia e a Ucrânia e apesar das medidas recentes do Banco Central Europeu destinadas a reanimar a economia da região. O índice que avalia o sentimento de empresários e consumidores desceu para 102, depois de, em maio, se ter fixado em 102,6, de acordo com os dados que foram divulgados nesta sexta-feira pela Comissão Europeia, citados pela Bloomberg.

Um grupo de 27 economistas consultado pela agência antecipou um desempenho mais positivo, com o índice de confiança a progredir para 103. “O abrandamento global durante o primeiro trimestre [de 2014], o euro forte e as tensões geopolíticas estão a prejudicar a confiança dos consumidores e da indústria”, afirmou Pernille Bomholdt Nielsen, analista do Danske Bank, em Copenhaga. O analista adiantou que estes impactos “deverão ser temporários e vão começar a diluir-se”, o que permitirá uma recuperação durante o segundo semestre do ano.

A zona euro deverá crescer a um ritmo de 0,3% no segundo e terceiro trimestres de 2014, para acelerar para 0,4% nos derradeiros três meses do ano, afirma a Bloomberg, baseada na opinião de outro painel de economistas consultado pela agência.