Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O que tem Kate Bosworth que ver com Blake Lively? Ambas são atrizes, ícones de moda e têm um pé no mundo do empreendedorismo. Bosworth vai lançar uma aplicação de moda batizada de Style Thief e a loira da série televisiva Gossip Girl apostou num site de lifestyle e e-commerce que vai chamar-se Preserve, diz o Eonline.

Por partes. A app Style Thief foi criada especificamente para o iPhone, mas vai estar disponível para Android ainda em 2014. Como funciona? Basicamente consiste em “roubar” uma roupa ou um acessório do seu agrado. Imagine que vai na rua e vê uma peça de moda que lhe capta a atenção — é provável que tenha acontecido umas milhares de milhões de vezes –, tira-lhe uma fotografia, submete na aplicação e procura na internet por um item igual ou semelhante. A compra fica feita com apenas alguns cliques.

Com o slogan Snap & Steal, o projeto tira proveito de duas tendências reais que saltaram para o quotidiano alheio: a popularidade do chamado street style e o hábito viciante de tirar fotografias com os smartphones. “Toda a gente consegue relacionar-se com aquela sensação de olhar para um editorial, por exemplo — ou para um amigo, ou passarela — com vontade de roubar algo igual ao que está a ver ou, então, semelhante”, explicou Bosworth ao WWD. A atriz confessou ainda ter vontade de imitar alguns looks de Cate Blanchett, Julianne Moore e Alexa Chung.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Aos 31 anos, Bosworth vai ser a diretora de marketing da app, que conta com a participação da cadeia de distribuição American Rag Cie e de um ex-presidente da Gemstar-TV Guide Interactive. A aplicação vai ser lançada no Reino Unido nos próximos dois meses e espera-se distanciar de rivais como ASAP54 e Snap Fashion.

Do mobile commerce para o e-commerce: no dia 23 de julho chega ao mercado o projeto de Lively, um site dedicado ao lifestyle e que vai vender itens escolhidos pela própria, diz o site Page Six, mas não só. Também a presença da atriz será certamente um chamariz, uma vez que esta vai aparecer em vídeos.

Há alguns meses, Lively explicou o conceito à Vogue: “O elemento principal trata-se de contar histórias e de viver uma vida one-of-a-kid (…) Eu tenho tantas paixões além da representação”. O Telegraph explica ainda que a atriz contou ao The Cut que o site terá comida à mistura — “Não se pode estar perto de mim sem se falar de comida”.

Ao ritmo de um clique

As celebridades ainda determinam a forma como nos comportamos e, sobretudo, cpmo nos vestimos. Sandra Gomes Rodrigues, coordenadora do curso Design de Moda na Lisbon School of Design, diz que as gerações mais novas, dos 12 aos 25 anos, relacionam-se sobretudo com figuras associadas à televisão e à indústria da música. “Porque são ídolos, as grandes figuras que comunicam mais para os jovens”. Se antes eram as atrizes e os atores do mundo do cinema, hoje é a cantora Rihanna e a atriz loira de Gossip Girl que captam a sua atenção. “São as grandes caras e os porta-vozes em termos de comportamento”.

De facto, é esta a cultura dos mais novos, que vivem numa sociedade muito apta a consumir. É uma faixa etária que não quer perder tempo a aprofundar questões, é tudo imediato e ao ritmo de um clique”. A coordenadora do curso de Design de Moda acrescenta que as pessoas, de um modo geral, relacionam-se com a imagem de um ponto de vista efémero. Isto é, a forma imediata como atualmente comunicamos é idêntica à ligação que as pessoas têm com a sua própria imagem.

Sandra explica que a indústria da moda está a prestar cada vez mais atenção ao factor online. Dá o exemplo do site Polyvore, onde é possível criar conjuntos de roupa e ter acesso a informação sobre as respetivas peças escolhidas. Conta ainda que a atriz Gwyneth Paltrow foi uma pioneira, ao ser das primeiras celebridades a criar um negócio na internet relacionado com moda. “Lançou o site GOOP e já tem uma máquina e toda uma indústria à volta dele. Tem, inclusive, uma linha de vestuário que ela própria desenvolveu através da plataforma”.