Ciência

E, há 45 anos, a Humanidade num só passo

181

Foi um momento histórico visto por muitos milhões de pessoas em todo o mundo. A Lua, desde tempos imemoriais fonte de fascínio e intriga para os homens, tornava-se um pouco mais próxima.

O passeio lunar ficou registado para a posteridade

NASA/ Getty Images

Autor
  • João Pedro Pincha

“Um pequeno passo para o homem, um passo de gigante para a Humanidade”. E pronto. Já estava. Pela primeira vez, seres humanos pisavam solo lunar, depois de anos de tentativas e batalhas silenciosas entre a União Soviética e os Estados Unidos pelo controlo do espaço. Foi há 45 anos, a 20 de julho de 1969.

Neil Armstrong e Buzz Aldrin foram os homens que entraram para a História. Michael Collins, que também fazia parte da missão, não chegou a ir à Lua, ficando a orbitar à sua volta, enquanto esperava que Armstrong e Aldrin recolhessem dados e objetos da superfície lunar. Ao todo, só puderam passear durante duas horas e trinta e um minutos pela Lua – ou seja, uma pequena parte da missão, que durou 8 dias no total.

182231main_image_feature_868_ys_full

A equipa de astronautas composta por Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins no momento do embarque na Apolo 11 (NASA)

s69-39961

O momento da partida da missão à Lua (NASA)

339773main_apollo_image_11a

 A bandeira americana já hasteada na Lua (NASA)

Só foram duas horas, mas foram horas intensas. Depois de descer da cápsula espacial Eagle e proferir a frase lapidar, a primeira coisa que Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar o satélite da Terra, fez foi instalar uma câmara de televisão, para que os muitos milhões de pessoas que acompanhavam a missão da Apolo 11 em direto não perdessem pitada. Seguidamente, ele e Aldrin – que entretanto aproveitou para tirar uma fotografia à sua pegada no solo lunar – descerraram uma placa comemorativa do acontecimento, hasterarm uma bandeira americana, fizeram testes às partículas nucleares ali existentes, telefonaram ao presidente Nixon, mediram a distância entre a Terra e a Lua, calcularam a luz solar que chega ao satélite, mediram a atividade sísmica do local e recolheram 21,7 kg de amostras de solo lunar.

Duas horas e trinta e um minutos que mudaram o curso da História. A Guerra Fria estava no auge. Em 1957, a União Soviética abrira as hostilidades pelo controlo do espaço com o lançamento do satélite Sputnik 1. E ganharia os rounds seguintes: foi o primeiro país do mundo a colocar um ser vivo – a cadela Laika – e um homem – Yuri Gagarin – em órbita. Mas, no fim, os Estados Unidos ganharam a corrida. E apenas com um pequeno passo. Em que estava toda a Humanidade.

339971main_pg63_as11-40-5878_full

A pegada de Buzz Aldrin imortalizada numa fotografia tirada pelo próprio (NASA)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Natureza

Naturalmente

Ricardo Mendes Ribeiro

A natureza é resiliente, capaz de adaptar-se às asneiras que fazemos. O que não muda são as suas leis. Por isso, as tentativas de redefinir o ser humano mais tarde ou mais cedo chocam com a realidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)