Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas (TdC) revela que há um helicóptero Kamov sem cadastro fiscal. Tendo em conta esta situação acredita-se que a Empresa de Meios Aéreos (EMA) escondeu a titularidade de um dos helicópetros Kamov à Autoridade Tributária (AT), diz esta terça-feira o jornal i. Além disto, as aeronaves que o Estado comprou à Rússia não têm qualquer seguro desde janeiro de 2011. A redução de custos é a justificação avançada pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

O MAI reportou ao i que não sabe porque o Kamov não foi declarado ao fisco, passando a responsabilidade para o INAC. Por sua vez, este instituto disse aos juízes do tribunal “que a aeronave consta nos ficheiros que são transmitidos à Autoridade Tributária”, desconhecendo as razões pelas quais o helicóptero Kamov CS-HMP não se encontra no cadastro fiscal da EMA.

O Concelho de Administração da EMA explicou que se viu numa situação de emergência: ou tinha dinheiro para o combustível para abastecer as aeronaves de combate a incêndios, ou tinha dinheiro para realizar os seguros que custavam um milhão de euros/ano. A EMA optou por usar o dinheiro para o combustível. Toda a esta situação sucedeu-se pela imposição de uma redução de custos de 15% a partir de 2011, imposta pela tutela.

O gabinete do ministro Miguel Macedo foi confrontado com a ausência de seguros, remetendo a responsabilidade para o Governo anterior. Mas garante que a nova empresa vencedora da operação dos helicópteros, a sucessora da EMA que irá deter a propriedade dos Kamov, terá como obrigação a contratualização de seguros.