Mota Pinto já não vai ser presidente não executivo, chairman, do Novo Banco, como estava previsto ser do velho BES, confirmou o atual deputado ao Observador. Na lista oficial que foi divulgada pelo Banco de Portugal esta segunda-feira não consta sequer o cargo. Mota Pinto adianta que o convite que teve não corresponde à solução agora apresentada: trata-se de um banco de transição, não com os acionistas privados que o chamaram. 

Vítor Bento mantém-se como líder do Novo Banco, como já tinha sido anunciado por Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, no domingo à noite. José Honório é o vice-presidente e Moreira Rato vogal do conselho de administração. Os outros administradores também já foram anunciados: João Moura da Silva Freixa e Jorge Carvalho Martins, que pretenciam à anterior administração, e João Mello Franco, que trabalhava na área de marketing.

Da lista do Banco de Portugal consta a nova comissão de fiscalização, presidida por José de Oliveira Vitorino. José Alves da Fonseca e José Francisco Claro compõem o resto da comissão. 

Já se sabe também quem é o presidente do bad bank BES: Luís Augusto Máximo dos Santos. O novo líder do velho BES preside a comissão do caso BBP, é mestre em Direito, com menção em ciências jurídico-económicas e docente na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL).

Entre 1986 e 1992, foi consultor jurídico do Banco de Portugal (BdP) e em 1985 passou pelo gabinete do secretário de Estado para os Assuntos Parlamentares, António Vitorino. No seu percurso profissional, constam também os cargos de advogado do Ministério Público, da República Portuguesa e agente do Governo.

Luís Máximo dos Santos presidiu o grupo de trabalho para a Reavaliação dos Benefícios Fiscais, em 2005, foi membro do grupo de trabalho para a Revisão da Lei das Finanças Locais, em 2005 e 2006, membro da Estrutura de Coordenação da Reforma Fiscal, em 2000 e 2001, entre outros cargos que desempenhou no Ministério das Finanças.

No novo conselho de administração, consta também César Bento Nunes de Brito e Miguel Morais Alçada. A comissão de fiscalização vai ser liderada por José Vieira dos Reis e composta por Rogério Manuel Fernandes Ferreira e Vítor Manuel Pimenta e Silva.