A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) disse esta quinta-feira que a Liga de clubes se comprometeu a pagar até segunda-feira os 25 por cento dos salários e prémios em falta desde setembro aos “juízes” dos escalões profissionais.

“Os meses de julho e agosto são pagos no final do mês de setembro. Quando chegou ao final de setembro, conseguimos o acordo para que fosse pago 75 por cento dos valores em dívida”, disse à agência Lusa o presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), José Fontelas Gomes.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional atravessa dificuldades financeiras. No início do mês, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, explicou que a Liga de clubes gasta 12 milhões de euros apenas com a organização das provas profissionais e a arbitragem e gera receitas de três milhões, pelo que tem um défice de exploração de nove milhões.

Apesar das dificuldades, José Fontelas Gomes revelou que existe um acordo entre os árbitros e o presidente da Liga, Mário Figueiredo, para que os valores em dívida sejam repostos até 20 de outubro, ou seja, a próxima segunda-feira.

“Quanto à reposição [dos valores em dívida] dos restantes 25 por cento há um compromisso de pagar até ao dia 20 de outubro”, disse o responsável, especificando que o compromisso é com o presidente da Liga.

José Fontelas Gomes acrescentou que tem falado várias vezes com Mário Figueiredo sobre este assunto, mas adianta que nos últimos dias os seus telefonemas não têm sido atendidos.

“Temos falado, se bem que na última semana tenho tentado contactar, mas sem sucesso. Espero que no dia 20 as coisas estejam resolvidas”, alertou.

O responsável da APAF considerou que a insatisfação “é geral” entre os árbitros e árbitros assistentes dos escalões profissionais, observadores e técnicos de arbitragem.

“Mas isso é normal em qualquer trabalhador que não recebe na totalidade o seu vencimento. No entanto, tentaremos sempre contribuir para uma solução e não para um problema, mas obviamente até onde nos for possível”, garantiu.

Questionado sobre as ações a tomar pela APAF se o compromisso não for respeitado até dia 20, José Fontelas Gomes prefere não se comprometer.

“Não avanço com nenhum cenário neste momento. Espero apenas que no dia 20 as coisas estejam resolvidas, para que haja estabilidade no futebol português. Sei que estão marcadas eleições para a Liga, sei que poderá haver um novo candidato para presidente da Liga e vamos tentar, dentro deste espaço de tempo, contribuir para a estabilidade, como sempre fizemos e sempre apelamos”, sublinhou.

Sobre se existem associados da APAF a propor greve aos jogos de futebol profissional, o responsável disse apenas: “não vou entrar nesse campo”.