Montesinho tem apenas 25 habitantes, mas é das mais emblemáticas localidades do concelho de Bragança, em pleno parque natural que lhe herdou o nome, uma das razões da escolha da Câmara de Bragança para lançar este projeto.

Com um investimento na ordem dos 2.400 euros, o município substituiu as 48 lâmpadas da iluminação pública pela nova tecnologia LED, amiga do ambiente que não necessita de manutenção durante 15 anos.

“Isto é uma aposta clara do município que vem na senda daquilo que o próprio município defende enquanto eco cidade”, declarou o presidente da Câmara, Hernâni Dias, anunciando que a intenção da autarquia é alargar este projeto a mais aldeias.

O autarca adiantou que está em curso uma candidatura para obtenção de verbas, no valor de meio milhão de euros, com vista à aquisição de entre 1.200 a 1.500 lâmpadas para instalar em outras aldeias do concelho.

Em Montesinho, o presidente da junta de freguesia, Carlos Silva, agradece a inovação e acredita que os habitantes também gostaram da ideia, embora alguns digam que esta luz é mais fraca e que com as anteriores “se via mais”.

Na cidade de Bragança, esta tecnologia já foi instalada numa rua junto aos Paços do Concelho e no túnel da Av. Sá Carneiro, onde se registou uma redução de 85 por cento nos consumos.

A vontade de Hernâni Dias seria ter lâmpadas LED em todo o concelho, mas trata-se de equipamento caro com um custo que ronda os 300 euros por unidade.

A Câmara de Bragança gasta anualmente 1,5 milhões de euros em iluminação pública.

Estas medidas inserem-se no plano municipal para a eficiência energética que tem como metas a redução de consumos em 65 por cento nos combustíveis dos transportes públicos, 47 por cento nos edifícios e equipamentos municipais e 44 por cento na iluminação pública, entre outras.

A inovação nesta área já chegou ao coração do Parque Natural de Montesinho, onde existem, contudo, algumas aldeias ainda sem o básico, como o saneamento, uma situação que o presidente da Câmara atribuiu hoje à falta de financiamento para esta área.

A taxa de cobertura no concelho de Bragança abrange 97 por cento da população, porém existem “algumas aldeias pequeninas” , como referiu o autarca, que vão aguardar até se saber se será possível “ir buscar dinheiro” para este fim ao novo quadro comunitário de apoio.