506kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Saiba quais são os restaurantes que mais brilham em Portugal

Este artigo tem mais de 5 anos

Há 17 estrelas Michelin nos restaurantes portugueses. Fique a conhecer os locais cuja cozinha foi distinguida pelo conceituado guia internacional.

Restaurante do L'And Vineyards, no Alentejo
i

Restaurante do L'And Vineyards, no Alentejo

CARLOS VIEIRA

Restaurante do L'And Vineyards, no Alentejo

CARLOS VIEIRA

Apesar de um dia chuvoso, a gastronomia portuguesa acordou esta quinta-feira mais brilhante. A edição de 2015 do Guia Michelin premiou 14 restaurantes, num total de 17 estrelas, um recorde em Portugal. Um dos protagonistas da história com final feliz é José Avillez, agora com o título de primeiro chefe português a conquistar duas estrelas, graças ao restaurante Belcanto. Mas há mais o que contar: fique a conhecer os 14 espaços espalhados pelo país cuja (boa) cozinha já marcou diferença.

Belcanto
“Somos inconformistas por natureza. Todos os dias queremos aprender e encontrar respostas para as perguntas que nos vão surgindo de forma a evoluirmos e avançarmos”. A definição do restaurante Belcanto é feita pelo chef José Avillez que, antes de o abrir, cruzou experiências com nomes conceituados do setor, como Ferran Adrià, Alain Ducasse e Eric Frechon. Foi, inclusive, chef executivo no histórico Tavares entre 2008 e 2011, onde em pouco mais de um ano conquistou uma estrela Michelin.

Ao comando do Belcanto, Avillez assume que a escolha dos ingredientes é criteriosa e que tanto a sazonalidade como o método de produção não industrial são ali valorizados — há ainda preferência por alimentos biológicos, embora sem fundamentalismos. Na carta, que o restaurante garante ter um pitada do que é moderno e tradicional, é possível encontrar sugestões à la carte: desde robalo com algas e bivalves ou lombo de boi corado ligeiramente fumado com alecrim.

São Gabriel
Pereira, Leonel Pereira. É natural do Algarve e, apesar do vasto currículo onde acumula experiências além-fronteiras, optou por regressar às origens. Está ao comando do restaurante desde março de 2013, o qual, na edição anterior do Guia Michelin, viu-se forçado a dizer adeus à estrela entretanto conquistada. Situado numa pequena quinta na Estrada Vale do Lobo, em Almancil, a cozinha praticada encontra raízes (fundas) nas receitas regionais, pelo que a tradição é considerada uma das linhas mestras da casa. As propostas que saem para a sala principal — decorada com uma coleção de azulejos pintados à mão — são posteriormente harmonizadas com vinhos, com sugestões a cargo do escanção Victor d’Avo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Pedro Lemos
Restaurante e chef partilham as atenções e o nome. O espaço onde antes estavam dois bares de nome curioso, Pifo e Beco, encontra-se agora uma casa recuperada e já premiada com a primeira estrela Michelin, na Foz Velha, no Porto. Os sabores, a mando da tradição portuguesa, são trabalhados pelas mãos do cozinheiro que é discípulo do conceituado Aimé Barroyer. A ementa renova-se, por norma, a cada duas semanas e os clientes são convidados a escolher o que for de sua vontade consoante a disponibilidade da dispensa.

Em junho último, Matt Kramer, jornalista da Wine Spectator, escrevia que Pedro Lemos era, sem sombra de dúvida, o “melhor” chef/dono da Invicta, além de um grande profissional de âmbito europeu. Caracterizado de modesto e tímido, “o senhor Lemos é um daqueles fanáticos que vive para os seus ingredientes e clientes”. Kramer contou ainda que Lemos tem o hábito diário de ir ao mercado pelas 05h00 e que a sua cozinha é ultra refinada e, ainda assim, simples — “o peixe sabe exatamente ao que é”.

Vila Joya
Habituado a prémios, em 2014 o restaurante mantém as duas estrelas Michelin que já antes constavam na ementa – a primeira veio em 1995 e a segunda em 1999. O Vila Joya permanece sozinho, no panorama nacional, no ranking dos 100 melhores restaurantes do mundo de acordo com o prémio The World’s 50 Best Restaurants, onde ocupa a posição número 22. A ementa está a cargo do austríaco Dieter Koschina que tem gosto em usar produtos locais e técnicas de cozinha com origem no norte da Europa. Combinação, essa, que parece ser a receita de sucesso do Vila Joya.

Ocean
É também um austríaco que está à frente do Ocean, no resort algarvio Vila Vita Parc — Hans Neuner foi nomeado Chef do Ano (Portugal) em 2009 e 2012. As duas estrelas são uma constante desde 2011, num restaurante assumidamente gourmet e cujos momentos de refeição são acompanhados de uma vista atlântica, não fosse a sala de jantar desembocar num terraço e jardim situados perto da falésia.

O menu é alternado semanalmente, tal como se pode ler no respetivo site, e inclui um conjunto de produtos do Algarve e do Alentejo. A ligação à Herdade dos Grous é inevitável (situada perto de Beja e propriedade do Vila Vita), da qual são provenientes carnes e vegetais biológicos, bem como o já premiado vinho “Herdade dos Grous”. Nas palavras do austríaco que se deixou encantar por Portugal: “A minha cozinha é como a famosa Valsa de Viena: simples, elegante e romântica. Assim como a valsa, clássica e intemporal.”

Willie’s
Tanto o chef Willie como o restaurante que lhe leva o nome emprestado já foram premiados com o cunho Michelin. Numa zona residencial, em Vilamoura, serve-se cozinha de influências internacionais, cuja fama — a julgar por diferentes meios de comunicação — é muita e devida.

Henrique Leis
Uma casa em madeira, situada na costa algarvia, onde manda o sotaque brasileiro. Henrique Leis nasceu no Maranhão, passou por diferentes setores na área da restauração e acabou por encontrar a vocação entre tachos e panelas. No percurso profissional contam-se experiências angariadas na companhia dos melhores chefes europeus — desde Paul Bocuse, Pierre Troisgros e Guy Savoy a Gaston Lenôtre e Pierre Gagnaíre. Passou por diversos países, como Itália e Alemanha, mas foi por terras lusas que assentou e realizou o sonho de abrir um restaurante próprio em 1993. Sete anos depois, viria a receber uma estrela no guia Michelin. O feito mantém-se até hoje. A cozinha, essa, reflete gostos e tendências francesas.

Il Gallo d’Oro
É gourmet e ocupa lugar no hotel de luxo Cliff Bay. Está sob a égide do francês Benoît Sinthon e detém a primeira e única estrela Michelin conquistada até à data pela ilha da Madeira. A cozinha aromática encontra inspiração nos sabores mediterrânicos e ibéricos, sendo que os produtos locais assumem um papel fundamental, embora combinados com outros de nacionalidade estrangeira. O sucesso é confirmado pelos prémios que tem ganho: entre 2011 e 2013, a carta de vinhos foi galardoada com o “Award of Excellence”, da Wine Spectator, e ainda no ano passado foi considerado o “Melhor Restaurante Gastronómico do Ano” em Portugal, pela Revista Wine – Essência do Vinho.

Largo do Paço – Casa da Calçada
Está situado a poucos minutos do Porto e do Douro e marca presença num hotel de cinco estrelas — a Casa da Calçada, originalmente construída durante o século XVI para servir como um dos principais palácios do Conde de Redondo, foi recuperada em 2011. Contam-se duas personalidades de destaque no restaurante, além da restante equipa que ali trabalha: o chef Vitor Matos e o sommelier Adácio Ribeiro. A cozinha de raiz portuguesa procura refletir os sabores da região com recurso a produtos frescos, quer da terra quer do mar, e os menus mudam sazonalmente.

Fortaleza do Guincho
O francês Vincent Farges está desde de 2005 à frente da fortaleza que, construída no século XVII, ergue-se no topo de uma falésia e está de frente para o mar do Guincho. O restaurante do hotel, inaugurado em 1998, aposta numa cozinha franco-portuguesa. É em 2001 que surge a primeira estrela Michelin, que não há meio de se ir embora, e seis anos depois é a vez de a adega receber três distinções consecutivas, com o prémio Best Award of Excellence, da Wine Spectator.

The Yeatman
Tem como pano de fundo o rio Douro e o centro histórico de uma Invicta que está cada vez mais na moda. A cozinha de “imaginação”, como afere o site do hotel dedicado ao vinho, aposta em sabores nacionais que são, posteriormente, interpretados e apresentados num estilo contemporâneo sob a batuta do chef aveirense Ricardo Costa. Da carta consta uma grande variedade de peixe e de produtos frescos, mas também há espaço para especialidades gastronómicas regionais. Na lista de vinhos contam-se néctares portugueses e outros provenientes de vários pontos do globo, sendo que o restaurante faz questão de harmonizar as propostas da cozinha com aquelas da adega.

Feitoria
Cozinha portuguesa e de autor num espaço que duas vezes ao ano inova na carta. As propostas que saem da cozinha inserida no hotel Altis Belém viajam entre texturas e aromas tradicionais e aqueles exóticos — há menus de degustação e o criativo –, cuja inspiração máxima encontra razão de ser na história marítima do país. O papel de cozinheiro-mestre cabe a João Rodrigues e sua equipa.

Eleven
Está num dos pontos mais altos da cidade de Lisboa, com vista privilegiada para o Parque Eduardo VII e para o rio Tejo, e apresenta uma arquitetura moderna e minimalista que aposta em materiais orgânicos — pedra, madeira e ferro. É Joachim Koerper quem dá ordens às tropas num contexto de cozinha, um apaixonado convicto pelos sabores do sul da Europa — o facto de ser, desde 1999, chefe consultor da Quinta das Lágrimas faz dele um conhecedor da cozinha servida por terras lusas.

L’And Vineyards
“No L’AND procuramos reinterpretar a identidade da cozinha portuguesa, valorizando ingredientes da estação e de origem regional, produto, em regra, de uma agricultura orgânica e biodinâmica. Para cada prato ou menu, propomos um vinho ou bebida adequada procurando que a sua experiência seja completa”. É o chef Miguel Laffan, que está à frente do premiado restaurante do resort L’And Vineyards, em Montemor-o-Novo, quem o diz.

Loja Observador Lifestyle

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.