Liga dos Campeões

RTP vai pagar cerca de 15 milhões pelos direitos dos jogos da Champions

104

Estação pública vai transmitir um jogo de equipas portuguesas por jornada, mais uma partida de cada mão das fases a eliminar, incluindo as meias e a final. Governo sob fogo.

RTP vai transmitir um jogo por jornada das equipas portuguesas na Champions entre 2015 e 2018

Harold Cunningham/Getty Images

Autores
  • Ricardo Oliveira Duarte
  • Helena Pereira

A RTP vai pagar um valor a rondar os 15 milhões de euros pelos direitos de transmissão dos jogos da Liga dos Campeões durante o triénio 2015-2018.

O Observador sabe que a estação pública conseguiu negociar com a UEFA os direitos de 13 jogos da liga milionária, mais os direitos de rádio e Alta Definição (HD), deixando de fora, voluntariamente, os direitos de Pay TV para a Sportv. Com isso, a RTP vai pagar pelo pacote máximo o valor definido para o pacote mínimo de jogos, ou seja, um valor próximo dos 15 milhões de euros.

O resultado final do concurso, a que a TVI também se apresentou, será divulgado esta terça-feira pela UEFA.

A questão dos direitos de transmissão dos jogos da Liga dos Campeões tem dado que falar nos últimos dias. Na quarta-feira (dia 19), a TVI revelou-se “estupefacta” com as notícias que davam conta que a RTP tinha ganho o concurso dos direitos de transmissão por um valor a rondar os 18 milhões de euros, revelando que ofereceu “40% abaixo disso” – o que equivale a 10,8 milhões de euros. Ao Observador, Helena Forjaz, diretora de Comunicação Institucional da Media Capital, disse que a proposta da estação pública “distorce o mercado, são valores fora de mercado, a RTP devia ser reguladora e não desreguladora”. Em comunicado, a RTP desmentiu o valor avançado, 18 milhões de euros.

Na quinta-feira (dia 20), no final do Conselho de Ministros, o ministro da Presidência, Marques Guedes, afirmou que “os dinheiros públicos, do ponto de vista do Governo, não deveriam ser aplicados” na compra de direitos de transmissão de jogos de futebol”, e disse esperar “sinceramente que o Conselho Geral se pronuncie sobre esta matéria”. Enquanto a RTP garantia, em comunicado que “nunca incorreria em custos extraordinários com a aquisição de programas”. A estação acrescentou “que o montante oferecido para esta aquisição de direitos, está previsto no orçamento de grelha e não constitui qualquer esforço financeiro suplementar para a empresa”.

Poiares Maduro e Marques Guedes: Governo desafina na resposta

O ministro-adjunto, Miguel Poiares Maduro, que tutela a Comunicação Social, estava em Bruxelas quando a polémica rebentou, não participou na reunião do Conselho de Ministros e, ao contrário do que fez Marques Guedes, optou por remeter-se ao silêncio. O entendimento do ministro-adjunto é o de que a desgovernamentalização que quis imprimir faz com que uma decisão como a de comprar transmissão de jogos seja matéria exclusiva da RTP e que isso não tem que ser comunicado ao Governo. Poiares Maduro, no entanto, ficou surpreendido com a decisão da RTP, pois a administração tem-se queixado de dificuldades financeiras, e considera que a administração devia ter dado conhecimento ao Conselho Geral Independente, o que não fez.

No Governo e no PSD, a intervenção de Marques Guedes, um ministro normalmente ponderado nas suas declarações, foi recebida com estranheza. O ex-ministro da Presidência, Nuno Morais Sarmento, que já teve a tutela da RTP entre 2002 e 2005, considerou “uma intromissão inadmissível” as declarações do Ministro da Presidência e considerou legítima a decisão da RTP, sublinhando tratar-se da oferta mais baixa feita pela estação pública.

O PS, pela voz da deputada Inês de Medeiros, considerou esta polémica previsível pois os socialistas consideram “uma confusão” o novo modelo da RTP, desde o Conselho Geral Independente ao contrato de concessão que ainda não está assinado. “Sob uma aparência de desgovernamentalização, o Governo continua a interferir na RTP”, disse ao Observador, não censurando a compra de jogos da Champions por parte da estação pública.

Outro dado a ter em conta e que está a pôr em xeque Poiares Maduro é um despacho assinado a 31 de outubro pelo ministro que qualifica como “acontecimento de interesse generalizado do público” jogos da Liga de Campeões em que participem equipas portuguesas. A RTP usa este despacho como um dos argumentos para ter concorrido à compra dos direitos de transmissão. O ministro-adjunto, porém, entende que aquele despacho não serve para sustentar a posição do conselho de administração da RTP – trata-se de uma transposição de uma diretiva europeia que serve para que os detentores dos direitos de transmissão tenham que vender imagens a canais em sinal aberto sobre determinados eventos. Na lista, aparecem os jogos da Champions tal como já existia no tempo do ex-ministro Miguel Relvas, que proibiu a RTP de comprar no passado jogos da Champions.

Também na quinta-feira, ao fim do dia, o Conselho Geral Independente (CGI) da RTP emitiu um comunicado. No documento o Conselho referia que o concurso foi ganho pela RTP, acrescentando que a proposta “é vinculativa, e constitui, por isso, um compromisso jurídico assumido pela RTP.” No comunicado podia ler-se ainda que os direitos de transmissão da Liga dos Campeões são uma questão de “natureza estratégica” e por isso o Conselho só se poderá pronunciar sobre ela depois de assinado o Contrato de Concessão de Serviço Público de Rádio e Televisão.” O Observador apurou que o Contrato de Concessão deverá ser assinado na próxima semana.

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)