Rádio Observador

Conservação da Natureza

Ursos, lobos e linces à solta na Europa

679

Os grandes carnívoros da Europa estiveram quase extintos em meados do século XX. Agora ocupam pelo menos um terço do território.

À medida que a população humana cresce na Europa e as habitações entram cada vez mais no espaço ocupado pela vida selvagem, os animais encontram maneiras de sobreviver nas cidades – há raposas em Londres, javalis em Berlim ou corujas em Lisboa, só para dar alguns exemplos. Mas cerca de um terço do território europeu tem neste momento capacidade para acomodar pelo menos um dos maiores carnívoros europeus – urso-pardo, lobo, lince e carcaju -, segundo um estudo publicado esta sexta-feira na Science.

“Mostrámos que cerca de um terço do continente europeu acolhe pelo menos uma espécie de grande carnívoro, com uma abundância estável ou crescente na maioria dos casos registados no século XXI. As razões para este sucesso global de conservação incluem legislação protetora [como diretiva Habitats], o apoio da opinião pública e uma variedade de práticas que permitiram que a coexistência entre estes grandes mamíferos e as pessoas fosse possível. A situação europeia revela que os grandes carnívoros podem partilhar a mesma paisagem”, conforme se lê no artigo.

Um regresso dos carnívoros, depois que quase se terem extinto em meados do século XX, não se fez sem conflitos. Como os conhecidos casos de conflito entre as populações humanas e os lobos-ibéricos em Portugal. O líder da equipa de 76 investigadores de 26 países, Guillaume Chapron, admite que os lobos podem ser vizinhos difíceis, como cita o Guardian.

1418916885_078247_1418916897_noticia_normal

Distribuição dos grandes carnívoros (infografia El Pais, fonte Science)

“Não estou a dizer que é uma história de paz e amor – coexistência muitas vezes significa conflito – mas é importante gerir esse conflito, mantê-lo num nível baixo e resolver os problemas causados”, acrescentada o membro da Iniciativa para os Grandes Carnívoros da Europa (Large Carnivore Iniciative for Europe). “Não devíamos falar do conflito pessoas-predadores, temos conflitos entre pessoas sobre predadores. Estes animais são o símbolo das questões difíceis sobre a maneira como usamos a terra.”

Tirando o lince-ibérico, considerado o felino mais ameaçado do mundo, que tem sido alvo de programas de reprodução e que foi esta semana reintroduzido pela primeira vez em Portugal, estes grandes carnívoros estudados pela equipa de Guillaume Chapron não foram alvo de campanhas significativas de reintrodução – exceção para o lince-euroasiático.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)