Os tablets são uma das prendas mais desejadas para este Natal, já sabemos. E são já muitos os portugueses que os vão utilizar para ler antes de ir para a cama. Porém, há más notícias para eles. Um novo estudo científico, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, este mês, demonstrou que a luz dos ecrãs dos tablets interfere com o sono, conta a Vox.

Um grupo de pessoas passou duas semanas a dormir num hospital privado e a ler durante quatro horas antes de irem para cama. Uma parte do grupo lia nos tradicionais livros em papel e os outros num tablet.

Os resultados foram surpreendentes (e, talvez, uma má notícia para muitas pessoas). Os que utilizaram os tablets para ler sentiram-se menos sonolentos à noite e demoraram, em média, mais dez minutos a adormecer. Mas as consequências também se prolongavam para a manhã seguinte: sentiam-se menos alerta, menos despertos ao acordar.

Apesar de, efetivamente, estes participantes não dormirem muito menos tempo que os que leram no papel, segundo o estudo passaram menos tempo em sono profundo. À noite, os utilizadores de tablets experienciavam uma queda de 50% de melatonina – a hormona que faz as pessoas sentirem-se sonolentas. Para estes participantes, o ciclo de melatonina avançou como que uma hora e meia, criando uma espécie de jet-lag.