Cultura

Quer ler mais em 2015? Saiba como

276

Editora da Amazon explica o que fazer para que a literatura faça parte da sua vida do início ao final do ano. Saltar para as páginas do meio quando não está a gostar do livro é uma das opções.

Deixe de ler aquilo que acha que "deve" ler e opte pelo que realmente o seduz

Getty Images

Resoluções de Ano Novo. Quantas vezes prometeu “no próximo ano vou ler mais livros”? O Natal é sempre um bom pretexto para presentear quem mais se gosta com uma boa dose literária e a vontade de ler as novidades aguça-se à medida que os novos livros chegam.

Contudo, com o instalar da rotina, nem sempre é fácil cumprir com os objetivos de início do ano. Seja porque surgem outras prioridades ou porque a falta de disciplina se impõe. O que é certo é que não há quem não goste de ler que não se lamente por não ler mais no final do ano.

Sara Nelson, diretora editorial da Amazon, explicou no Huffington Post quais são os seus truques para que a literatura nunca fique fora da agenda. São seis dicas para que 2015 seja o ano em que os livros o acompanham do início ao fim.

1. Deixe de ler aquilo que acha que “deve” ler e opte pelo que realmente o seduz. Ler aquilo que as pessoas mais “espertas” aconselham, só porque sim, não é boa política. Para Sara Nelson, o truque passa por escolher os livros que o atraem, seja pela contracapa, pelo que encontra na internet ou por uma entrevista que o autor deu. Deixe-se influenciar por aquilo que o atrai. Siga a sua opinião.

2. Evite definir-se como alguém que “só gosta” de determinado género literário ou como alguém que “detesta” outro. Sara Nelson dá um exemplo pessoal: costumava dizer que “detestava histórias pequenas” até que se apaixonou pelo livro “The Interpreter of Maladies”, de Jhumpa Lahiri. É caso para dizer: não se restrinja ou imponha escolhas.

3. Permita que “para de ler” seja uma opção. Pode parecer contraditório, mas segundo Sara Nelson, “perder tempo precioso “a ler coisas que não está a gostar ou que está a ler apenas porque “é suposto”, pode causar o efeito oposto: deixar de ler o que quer que seja. Quando percebe que, efetivamente, não está a gostar do que está a ler, pare e aproveite para ler algo pelo qual se apaixonou.

4. Se ainda assim está determinado a acabar um livro que parece não lhe ter agradado à primeira, salte para as páginas do meio. Mas atenção: saltar para o meio não significa optar pelo final da história. Deixe que o fim o surpreenda sempre. Embora a editora da Amazon considere que é dever do autor agarrar o leitor logo nos primeiros instantes da obra, isso não quer dizer que não seja possível de acontecer a meio.

5. Ignore as críticas literárias que dizem que determinado livro é semelhante a outro, sobretudo se ainda não tiver lido esse tal “outro”. Sara Nelson confessa que evita fazer esse tipo de comparações nas críticas que assina, até porque pode pressionar os leitores. Importante é que cada um encontre a sua perspetiva.

6. Há algum filme que queira muito ver? Opte por ler o livro em que se baseia o argumento primeiro. Na opinião de Sara Nelson, a mais-valia do ato de ler é o facto de o leitor poder construir a sua própria perspetiva da história e das personagens. Se conseguir ler o livro antes de ver o filme, é mais divertido perceber se o realizador fez a mesma leitura.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Obituário

Um herói civil

José Ribeiro e Castro
104

Não tinha espada, nem pistola ou punhal. A única arma que esgrimia era o lápis ou a caneta de tinta da China. De mãos nuas, teve a serenidade e a fortaleza diante dos desafios, a rectidão de propósito

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)