O Município de Maputo anunciou nesta sexta-feira a rescisão do contrato de reabilitação de um troço de 10 quilómetros da Avenida Julius Nyerere com um consórcio português liderado pela Britalar, devido à má qualidade da obra. “Já enviamos a carta a rescindir o contrato. O processo de conclusão da obra estava muito atrasado e uma parte da obra está com problemas de qualidade. Então, o conselho municipal decidiu rescindir o contrato com o consórcio “, disse à Lusa o vereador para a área de infraestruturas no Conselho Municipal da Cidade de Maputo, Victor Fonseca.

Segundo Fonseca, o governo do município da capital moçambicana está a negociar com o consórcio dirigido pela Britalar um acordo sobre os danos que o município terá acarretado em virtude da má qualidade do troço já reabilitado. “Já temos equipas a trabalhar, tanto por parte do município, como por parte do consórcio. Neste momento, não podemos garantir quanto custa esta rescisão. Estamos a analisar a rescisão, se não conseguirmos um acordo amigável, vamos recorrer aos meios legais”, afirmou o vereador para a área de infraestruturas do município de Maputo.

Victor Fonseca adiantou que o município vai lançar um concurso público para a contratação de um outro empreiteiro, visando a reabilitação do troço. As obras, orçadas em cerca de 10 milhões de euros, começaram em 2012 e estava previsto que terminassem em fevereiro de 2013, estando atrasadas há cerca de um ano.

Além da Britalar, o consórcio é constituído pelas empresas portuguesas Construção Europa Ar-Lindo e Aurélio Martins e Filhos. A Avenida Julius Nyerere acolhe o gabinete da Presidência da República de Moçambique e diversas embaixadas e organizações internacionais e estende-se até alguns dos bairros mais populosos dos subúrbios de Maputo.