O domínio da Mini no rali Dakar de todo-o-terreno prosseguiu nesta terça-feira com um “tri” nos carros, com a vitória do espanhol Nani Roma, diante do líder da geral, o príncipe do Qatar Nasser Al-Attiyah e do russo Vladimir Vasilyev. Na impossibilidade de defender o seu título desde o quilómetro 9 da primeira etapa, devido a uma avaria elétrica, o espanhol consolou-se hoje com o seu primeiro triunfo da época, no final dos 450 quilómetros cronometrados, que ligaram Iquique, junto do Pacífico, a Calama, nos Andes chilenos, na nona etapa.

“Depois da porcaria pela qual passámos, este triunfo sabe a glória, mas o nosso objetivo não era ganhar etapas, mas o Dakar. Vencer numa etapa longa e dura é uma alegria, mas reafirma a tristeza, porque dás-te conta do que podias ter feito bem este ano”, disse Roma, vencedor com o tempo de 04:41.56 horas.

Atrás do espanhol da Mini, a 06.27 minutos, cortou a meta Nasser Al-Attiyah, que, a quatro etapas do final, aumentou a distância para o seu vice na geral, o sul-africano Giniel de Villiers (Toyota). O vencedor de 2011 ganhou quase 15 minutos a Villiers e lidera agora com 23.58 minutos de vantagem para o segundo e 39.29 para o terceiro, o saudita Yazeed Alrajhi (Toyota), que perdeu mais de 20 minutos. O português Carlos Sousa (Mitsubishi) perdeu 52.49 minutos para Roma, mas subiu ao sétimo posto da geral, estando a quase três horas do príncipe do Qatar.

A décima etapa vai marcar o regresso do Dakar a território argentino, numa especial de 358 quilómetros, entre San Pedro de Atacama, no Chile, e Salta, na Argentina, nos quais a altitude voltará a ser o principal obstáculo numa jornada em que a técnica prima sobre a velocidade.